Ederson Nunes/CMPA
Ederson Nunes/CMPA

Marun sonda vereadora gaúcha para vice de Meirelles e ela nega

Comandante Nádia recusou a proposta e diz estar 'focada' no Legislativo gaúcho

Filipe Strazzer, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 20h02

PORTO ALEGRE - A vereadora de Porto Alegre Comandante Nádia (MDB), 50 anos, foi sondada para a vaga de vice na chapa de Henrique Meirelles (MDB) à Presidência da República. A sugestão partiu do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, no sábado passado, mas a parlamentar não aceitou a proposta, segundo ela.

Ao Estado, Comandante Nádia afirmou que declinou da sondagem nesta quarta-feira, 1º de agosto, após quatro dias de conversas com Marun. Ela diz estar “focada” na pré-candidatura à Assembleia Legislativa gaúcha. “Eu liguei para o ministro, que estava aguardando minha resposta. Agradeci, fiquei lisonjeada e surpresa pelo convite, mas abri mão dessa possibilidade e estou em pré-campanha, focada na Assembleia Legislativa”, disse.

A parlamentar afirmou que seu nome foi lembrado pela atuação na Câmara Municipal de Porto Alegre e pelos anos em que ela esteve na Brigada Militar (a PM gaúcha). “O ministro disse que a cogitação do meu nome foi por conta do trabalho que eu tenho exercido não só na Câmara de Vereadores mas, principalmente, pelos 28 anos de atuação na polícia”, afirmou.

Nádia está em seu primeiro mandato - foi eleita 6.809 votos. Hoje, ela é Tenente Coronel da Reserva da Brigada Militar e foi a primeira mulher a comandar um Batalhão de Polícia Militar no Rio Grande do Sul, em 2007. 

O ministro Carlos Marun afirmou ao Estado que sondou a vereadora para a vaga nesta semana, após viagem a Porto Alegre para reunião partidária. Ele disse que depois de conversa com Nádia na segunda-feira pensou na possibilidade de levar seu nome ao partido. 

"Diante da recusa eu não levei o nome dela ao partido, mas considero que ela tem um perfil muito interessante e penso que ela poderia ter sido uma boa vice. Acredito até que se fizéssemos uma real insistência ela poderia ser essa vice", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.