Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Marun: 'Pensamentos derrotistas não são majoritários no MDB'

Ministro chamou de oportunista o pedido de emedebistas para que a sigla permaneça neutra na disputa presidencial

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 15h00

BRASÍLIA - Após caciques do MDB se movimentarem nos bastidores contra uma eventual candidatura própria do partido, o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) disse ao Estadão Broadcast que "felizmente esses pensamentos derrotistas e adesistas não são majoritários".

+ Nove diretórios vetam nome do MDB na disputa ao Planalto

O ministro chamou de "oportunista" o pedido de alguns emedebistas para que a sigla permaneça neutra na disputa e não apoie nenhum candidato à Presidência este ano para liberar os Estados. Ele ponderou que "cada um pode ir ter seus pensamentos".

Marun diz ter certeza que o governo terá candidato e que é "provável" que seja um integrante do MDB. Neste caso, os nomes cotados são os do presidente Michel Temer e do ex-ministro Henrique Meirelles. Na última pesquisa realizada pelo Datafolha, em abril, ambos não ultrapassam 2% das intenções de voto.

Sobre o baixo índice de aprovação dos pré-candidatos do MDB, Marun disse que o partido vai para as eleições "torcendo para que a população caia na real". "Eleição se ganha e se perde. Ninguém pode apresentar à população o conjunto de realizações que nós promovemos. Não existe receita para o país melhor que a nossa", defendeu.

+ Alckmin diz que não discute defender legado de Temer por apoio do MDB

Como mostrou o Estadão/Broadcast, pelo menos nove diretórios regionais não querem que o MDB apresente candidato próprio à sucessão do presidente Michel Temer. O cálculo foi apresentado em jantar na quarta-feira, 9, na casa do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE).

Também estavam presentes o presidente do partido e líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), e o senador Renan Calheiros (AL), desafeto de Temer. O receio do comando emedebista é de que a impopularidade de Temer grude nos candidatos e prejudique o resultado nas urnas.

Na quinta, Temer procurou assumir um discurso que deixa aberta a articulação ao dizer, em entrevista ao Estadão/Broadcast, que "nenhuma possibilidade será descartada" embora tenha ressaltado achar difícil uma candidatura única de centro prosperar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.