Marta terá almoço com Lula na segunda para selar apoio

Senadora, que até agora boicotou campanha do PT em São Paulo, deve gravar comercial para pedir votos a Haddad

VERA ROSA / BRASÍLIA, DAIENE CARDOSO, AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2012 | 03h01

Um almoço marcado para segunda-feira entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a senadora Marta Suplicy (PT-SP) é a aposta do comitê de Fernando Haddad para superar dificuldades na campanha petista à Prefeitura. Depois de ouvir o apelo da presidente Dilma Rousseff para ajudar Haddad, Marta dirá a Lula que aceita gravar mensagem de apoio no horário gratuito, mas não esconderá a insatisfação com o tratamento dado a ela até agora.

Lula também está aborrecido com a senadora. Em conversas reservadas, tem dito que Marta agiu de forma "infantil" ao se recusar a aparecer ao lado de Haddad e a pedir votos para o candidato. Tanto o governo como a cúpula do PT esperam que, após o almoço no Instituto Lula, uma nova estratégia para a campanha de Haddad seja definida.

Até agora, o ex-ministro patina com menos de 10% das intenções de voto e está em terceiro lugar nas pesquisas. Nos bastidores, petistas dizem que Haddad precisa "ouvir mais" os companheiros de partido e chamar ministros para atividades na ruas. Senadores e deputados afirmam que a campanha parece sem rumo.

O crescimento de Celso Russomanno (PRB) - empatado com José Serra (PSDB) na liderança - assustou o comitê de Haddad. Pesquisas do PT mostram que Russomanno tirou votos do ex-ministro principalmente em redutos de Marta. Além disso, o ex-deputado está se consolidando entre eleitores da "nova classe média".

Marta pode participar de alguma caminhada ao lado de Haddad, mas não pretende gastar sola de sapato por ele. A senadora avalia que era a única capaz de derrotar Serra ou Russomanno e não gostou da pressão do PT para que se engajasse na campanha sem uma agenda diferenciada.

Dirigentes do PT torcem não só para Haddad ir ao segundo turno, mas também para Serra. A avaliação é que um confronto com Russomanno seria mais difícil.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.