Marta se diz 'satisfeita' em ter Kassab como adversário

A candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, minimizou o resultado da votação de hoje, ainda não finalizado, e prometeu uma "batalha verbal" com seu adversário, do DEM, o atual prefeito Gilberto Kassab. "Eu estou muito feliz com essa final do campeonato. Eu estou muito animada e muito satisfeita que meu adversário se chame Gilberto Kassab", disse.A estratégia, segundo Marta, é fazer uma comparação das gestões com Kassab, frisando na trajetória política de seu rival, que pertence ao DEM, antigo PFL. "Com o meu adversário, eu tenho muito prazer em dialogar, ter uma batalha verbal de comparação de projetos, de propostas, de gestão. Agora é hora, agora começa o segundo turno", disse Marta, durante coletiva de imprensa em um hotel do centro da capital.Marta buscou minimizar o fato de ter permanecido atrás do prefeito durante toda a contagem de votos. "Desde o começo, eu dizia: nós vamos ao segundo turno e neste segundo turno nós vamos à vitória". "Estamos comemorando essa primeira etapa vitoriosa, e caminhamos para a vitória final", afirmou a petista, emendando um grito de "yes", desanimado.Segundo ela, no primeiro turno, não foram feitas comparações "para valer". "Nós fizemos uma campanha propositiva", explicou. Entretanto, para a petista, a carreira de um político "conta e conta muito". "Eu peguei essa cidade devastada, era um bando de gafanhoto. E o que era? Era (Celso) Pitta e Kassab, que foi secretário de Planejamento", criticou a petista, em uma amostra já da disputa do segundo turno.Ela voltou a acusar o prefeito de "incapacidade de gestão e planejamento". "O que foi feito de novo nessa cidade? O transporte melhorou? Não. A educação melhorou? Não. A pobreza melhorou? Não", atacou.Outro ponto da estratégia da petista para a nova fase da disputa ficou claro hoje. Marta deve enfatizar sua parceria com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Ela disse ter com Lula um "projeto partidário". "Nós sabemos que parcerias acontecem quando você tem projetos semelhantes. E, projeto semelhante com o Lula, temos nós", frisou a petista, citando as realizações na área econômica do governo federal.Marta afirmou que Lula se mostrou disposto a entrar em sua campanha "em todos os momentos necessários". "O maior líder brasileiro se chama Luiz Inácio Lula da Silva. É claro que (sua presença) faz diferença", disse. Marta fez questão de destacar que sua parceria com Lula é de longa data. "Não é um parceiro de ocasião", disse.AlckminMarta teceu elogios ao seu adversário do PSDB, Geraldo Alckmin, que ficou em terceiro lugar na corrida municipal, mas evitou buscar diretamente seu apoio para a nova etapa da eleição. "Eu elogio a postura ética de Geraldo Alckmin", declarou. "A posição dele, ele é quem vai decidir", afirmou. Referindo-se ao segundo turno, Marta disse que vai buscar todos os eleitores dos candidatos que não foram para o segundo turno.A coletiva de Marta Suplicy estava prevista para ser realizada a foi para o hotel onde foi realizada quando 80% dos votos já estavam apurados e a parcial indicava que ela estava com 31% dos votos, ante 34% de Kassab. O evento se deu com uma série de partidários da candidata, mas não compareceu nenhuma estrela do PT.A petista prometeu começar a campanha do segundo turno com fôlego redobrado. Sua coletiva de imprensa terminou pouco antes das 23h, mas a assessoria de Marta já havia convocado a imprensa para um evento amanhã, às 11h30, em Cidade Tiradentes, na zona Leste da capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.