Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Marta provoca Russomanno ao falar que 'ficará com trabalhadores' em reformas de Temer

A candidata disse que estará ao lado do trabalhador quando as reformas previdenciária e trabalhista chegarem ao Senado

Julianna Granjeia e Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

13 de setembro de 2016 | 13h14

A senadora Marta Suplicy, candidata do PMDB à Prefeitura de São Paulo, disse na manhã desta terça-feira, 13, que votará “ao lado do trabalhador” quando as reformas previdenciária e trabalhista propostas pelo governo chegarem ao Senado. Ao abordar o tema, após participar da sabatina da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em São Paulo, ela fez uma provocação ao deputado Celso Russomanno, candidato do PRB.

“Assim como quando Dilma enviou a sua reforma (MP 665, que dificultou o acesso ao seguro desemprego), eu votei sempre a favor do trabalhador, ao contrário de outro candidato. Eu vou continuar sempre votando a favor do trabalhador”, afirmou.

Em maio de 2015, Russomanno votou a favor da Medida Provisória na Câmara, enquanto Marta votou contra no Senado. É a primeira vez que a candidata escolhe como alvo o candidato do PRB, primeiro colocado nas pesquisas eleitorais.

Os candidatos à Prefeitura de São Paulo aliados de Temer têm evitado se posicionar sobre as mudanças promovidas pelo governo federal. Já o candidato do PT, Fernando Haddad, e a candidata do PSOL, Luiza Erundina, tentam nacionalizar a campanha dizendo que os adversários são favoráveis a mudanças que prejudicam o trabalhador, como a flexibilização da CLT e a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria.

Cracolândia. Marta detalhou sua proposta para a cracolândia durante a sabatina. Ela afirmou que usaria apenas o orçamento da Secretaria da Saúde para atender os dependentes da região em cinco centros. Esses locais teriam o apoio de entidades religiosas e seriam monitoradas pela Guarda Civil Metropolitana.

Questionada sobre a possibilidade de internação compulsória para dependentes químicos, Marta afirmou: “Isso é muito delicado, em caso de possibilidade de morte da pessoa, acredito que podemos fazer isso”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.