Marta precisa avisar o PT que é contra taxas, diz Alckmin

Ironizando, tucano diz que partido de Marta só espera fim das eleições para aprovar CSS no Senado

Andréia Sadi, do estadao.com.br,

14 de agosto de 2008 | 12h38

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, ironizou nesta quinta-feira, 14, as afirmações de sua rival petista, Marta Suplicy, de que, por causa de sua "experiência negativa" quando prefeita, não elevaria mais as taxas para a população. "Minha concorrente disse ontem que estava arrependida de ter elevado as taxas. Eu acho ótimo, mas ela precisa avisar o PT", afirmou, arrancando risos da platéia presente ao evento na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), mesmo local em que Marta fez palestra na quarta.   Veja também: Marta diz 'taxas nunca mais' e critica Kassab por IPTU Perfil de Alckmin Perfil de Marta Pesquisa Ibope - São Paulo Guia do eleitor esclarece dúvidas sobre o pleito   "O PT acabou de aprovar o novo imposto do cheque (a Contribuição Social para a Saúde - CSS), e aprovou quietinho na Câmara. E agora só está esperando as eleições passarem para votar o projeto no Senado", criticou. "O PT não foi avisado de que é contra o aumento de imposto."   Na quarta-feira, ao ser questionada sobre a possibilidade de voltar a subir os impostos na cidade, se eleita, Marta respondeu: "Deus me livre, nunca mais". "A única que pode garantir que não vai aumentar taxas sou eu, pela própria experiência negativa que tive", afirmou.   Indagado sobre o encontro com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em seu comitê eleitoral nesta tarde, Alckmin sorriu e disse: "vou tomar meio cafezinho com ele". O encontro entre os dois, para que FHC dê seu apoio ao candidato promete deixar ainda mais constrangedora a situação do governador José Serra (PSDB) nesta eleição.   Das principais lideranças nacionais do PSDB, só falta Serra aparecer ao lado de Alckmin. Dividido entre as candidaturas do prefeito Gilberto Kassab (DEM), seu vice na prefeitura, e de Alckmin, o governador tem optado por ficar longe dos dois palanques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.