Marta 'mente' ao dizer que vai ampliar metrô, diz Maluf

Candidato do PP ironizou ainda os planos da candidata do PT para alterar o projeto de expansão do metrô

CAROLINA FREITAS, Agencia Estado

02 de setembro de 2008 | 15h15

O candidato do PP à Prefeitura de São Paulo, Paulo Maluf, acusou nesta terça-feira, 2, a adversária do PT, Marta Suplicy, de mentir ao prometer construir 63 quilômetros de metrô na cidade até 2014, ano em que o Brasil sediará a Copa do Mundo. "Todos os presidentes, governadores e prefeitos juntos construíram 50 quilômetros de metrô. Como ela vai construir 60 quilômetros sozinha, se essa nem é a atribuição dela? É absoluta mentira", disse Maluf. "É como se ela prometesse construir o submarino atômico para a Marinha." Veja também:Especial: Perfil de Marta, Maluf e outros candidatos de SP Veja gráfico com a última pesquisa Ibope/Estado/TV GloboVereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP As regras para as eleições municipais  Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubroMaluf ironizou ainda os planos da candidata da coligação "Uma Nova Atitude para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB) para alterar o projeto de expansão do metrô. "É muito fácil pegar a planta da cidade, fazer oito rabiscos e dizer ''aqui vai passar a linha do metrô''."O candidato do PP participou no início da tarde de hoje de evento da Federação Paulista de Futebol, na Barra Funda, zona norte da capital paulista. Ele prometeu que, se eleito, dará apoio financeiro à modernização dos estádios paulistanos para a Copa de 2014 e se disse favorável à isenção de "todos os impostos" para clubes.O ex-prefeito se esquivou de justificar o uso em seu programa no horário eleitoral ontem da frase "relaxa e goza", dita por Marta quando ministra do Turismo. "Quem faz meus programas de TV são os marqueteiros. A responsabilidade é deles, não minha", desconversou. A reportagem procurou a equipe responsável pela propaganda de Maluf, mas não houve esclarecimento.GrampoAo comentar o bom momento econômico do Brasil e o reflexo na produção e venda de telefones celulares, Maluf contou ter quatro aparelhos. Um deles, crê o candidato, está grampeado pela Polícia Federal. "Esse (número) todo mundo tem, inclusive a PF, por isso eu não falo nada", disse, alegando que nos outros telefones fala de "amor" com sua mulher e filhos e sobre negócios de sua empresa.Maluf negou, no entanto, ter algo a esconder de suas conversas telefônicas. "Não tem nada que corra risco de vir à tona, mas sou contra a bisbilhotice. Quando se tem peito e a cara de pau de cometer esse crime contra o presidente do Supremo (Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes) com Paulo Maluf vão fazer salsicha."

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPSão Pailo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.