Marta e Kassab recorrem a debate para trocar ataques

Na TV, prefeito comparou as propostas apresentadas por ele e pela adversária durante o debate para a saúde

Ana Luísa Westphalen, da Agência Estado

21 de outubro de 2008 | 14h38

A candidata à Prefeitura de São Paulo,  Marta Suplicy (PT), e o prefeito e candidato à reeleição,  Gilberto Kassab  (DEM), resgataram imagens do debate de domingo (19), promovido pela Rede Record de Televisão, para trocar ataques nesta terça-feira, 21, durante a publicidade eleitoral gratuita na televisão.   Veja também: Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo  'Eu prometo' traz as promessas de Marta e Kassab  Geografia do voto: Desempenho dos partidos nas cidades brasileiras  Confira o resultado eleitoral nas capitais do País      Kassab comparou as propostas apresentadas por ele e pela adversária durante o debate para a saúde, transporte e criação de taxas. O apresentador destacava que o candidato manteve o equilíbrio, enquanto a petista se mostrou "alterada".   "O Kassab mostrou firmeza, e a Marta estava nervosa e insegura", disse uma eleitora em depoimento. Também foram ao ar trechos do momento em que Marta foi questionada sobre propaganda de sua campanha que contesta aspectos da vida pessoal de Kassab.   A petista explicava que não viu a propaganda antes da exibição. "Será que ela não controla nem a campanha dela?", indagou o apresentador do programa do democrata.   Já Marta contrapôs as respostas dadas pelo prefeito durante o debate, com idéias defendidas no programa eleitoral do adversário, na linha de confrontar as ações que Kassab promete fazer em campanha com as adotadas à frente da Prefeitura.   O apresentador questionou a veracidade de informação apresentada pelo candidato durante o debate. Em um dos trechos, Kassab afirmava que Marta não fez nenhum hospital em sua gestão. O apresentador, no entanto, alegou que a ex-prefeita concluiu 60% da obra do Hospital de Cidade Tiradentes e que "deixou tudo pronto" para a construção do Hospital do M'Boi Mirim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.