Marta diz que não procura candidatos derrotados no 1º turno

Petista diz que neste segundo turno vai comparar o que fez no seu governo com o do atual prefeito

da Redação

06 de outubro de 2008 | 13h29

Na disputa pela Prefeitura de São Paulo, a candidata  Marta Suplicy (PT), disse que não pretende procurar os demais candidatos derrotados no primeiro turno da eleição, mas que vai tentar conquistar os eleitores desses candidatos, apresentando suas propostas. "Não vou fazer gestos para conquistar candidatos", afirmou a candidata, em entrevista ao jornal SPTV, da TV Globo.  Veja Também: Enquete: O resultado das eleições surpreendeu?   Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo Galeria de fotos dos candidatos à Prefeitura   Vereador digital: Depoimentos e perfis de candidatos em São Paulo   Tire suas dúvidas sobre as eleições  Marta disse que neste segundo turno vai comparar o que fez no seu governo (2001 - 2004) com o do atual prefeito e candidato à reeleição  Gilberto Kassab(DEM) para que os eleitores possam escolher seu candidato. Ela acredita que terá melhores condições de mostrar os seus projetos agora que o tempo do horário eleitoral será igual para os dois concorrentes.  A candidata também comentou que terá o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que, segundo ela, sentirá mais segurança em investir na cidade sabendo quem vai gerir os recursos. Marta agradeceu aos eleitores da periferia, onde ela teve mais votos, e fez denúncias sobre problemas em um hospital municipal.  Elogio a Alckmin A petista aproveitou para fazer um elogio ao candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. "Minha proposta sempre foi me manter consolidada no 1º turno, o que é muito difícil. Tínhamos forças muito bem estruturadas na cidade. Alckmin foi um adversário que mesmo na adversidade conseguiu ter 22% dos votos. Isso não é pouco", avaliou. Entretanto evitou dizer se iria buscar o apoio do tucano, preferindo focar nos eleitores dele. "Ele (Alckmin) diz que vai seguir o partido dele. Eu acho que ele não poderia fazer diferente", afirmou. "Eu tenho que falar com o eleitor do Alckmin e de outros candidatos para que eles possam ver que temos mais condição de gestão." Questionada sobre como faria para atrair os votos da classe média, seu calcanhar de Aquiles, Marta disse que lançará mão de propostas e aproveitou para alfinetar Kassab. "A classe média também anda de ônibus. Ela esta satisfeita? Não." (Carolina Ruhman, da Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.