Marta diz que Kassab tenta desqualificar internet grátis

A candidata à Prefeitura de São Paulo Marta Suplicy (PT) afirmou na noite de hoje, sem citar o nome, que o prefeito Gilberto Kassab (DEM), candidato à reeleição, tenta "desqualificar" a proposta da internet de banda larga grátis. A declaração foi dada no penúltimo dia de publicidade eleitoral gratuita dos candidatos a prefeito na televisão."Chega ao absurdo de dizer que vamos cobrar isso e aquilo, mas repito: vai ter internet grátis para todos", respondeu Marta a uma música da campanha de Kassab que pergunta "Taxa de antena?", sugerindo que ela cobraria um novo imposto. A publicidade de Marta reiterou que, num eventual mandato da ex-prefeita, serão instaladas antenas em 3 mil prédios da Prefeitura.Já Kassab preferiu criticar a gestão da saúde na administração municipal quando a petista era prefeita. "A saúde no tempo da Marta ia de mal a pior", afirmou o locutor. "Quando assumi, a situação era muito ruim e fizemos um grande esforço para melhorar. Ainda não está como eu quero, mas avançamos", disse o prefeito de São Paulo. Kassab prometeu construir mais três hospitais: Brasilândia, na zona norte, Artur Alvim, na zona leste, e Parelheiros, na zona sul. A publicidade do prefeito mostrou histórias de pacientes que foram bem tratados em hospitais municipais.O candidato Geraldo Alckmin (PSDB) atacou Marta na propaganda da noite de hoje. "Não podemos permitir que um governo irresponsável do PT volte a governar a cidade", disse, mas sem citar o nome da ex-prefeita. Também atacou a atual administração municipal, mas não mencionou Kassab, nominalmente.De acordo com Alckmin, a capital paulista avançou em alguns setores, mas "perdeu muito na qualidade do serviço que a Prefeitura presta para a população". "O trânsito travou, a saúde você sabe o quanto o atendimento é ruim e a cidade está às escuras nos bairros da periferia e nas regiões mais privilegiadas."O deputado Paulo Maluf, candidato do PP, optou por veicular imagens do debate da noite de ontem (28) na Rede Record de Televisão. "Marta teve sua vez e foi derrotada em 2004, sendo rejeitada pela população; Alckmin e Kassab fazem briga de comadres", disse em declaração reproduzida do debate.No programa do candidato Ivan Valente (PSOL), a presidente nacional do partido, Heloisa Helena, apareceu pedindo votos para ele. "Ivan Valente é competente, honesto, é um lutador social. É o único candidato em São Paulo distanciado da falsa polarização dos mesmos que querem continuar comandando a cidade", declarou.A candidata Sonia Francine (PPS), a Soninha, disse que, se eleita, "levará em conta" os conhecimentos da universidade, dos técnicos, de quem já passou pela Prefeitura, dos funcionários públicos municipais e do cidadão. "Compartilhar decisões com pessoas. Não abandono o ideal como meta, mas não abandono a realidade e não prometo o impossível", disse a candidata.Edmilson Costa, do PCB, citou a crise econômica mundial, afirmando que ela "chegou ao coração do sistema capitalista e derrubou todos os mitos neoliberais". Anaí Caproni, do PCO, criticou as parcerias da administração municipal com organizações sociais. Renato Reichmann, do PMN, propôs o investimento em creches nos bairros. Ciro Moura, do PTC, mais uma vez, propôs o Plano Municipal de Saúde Livre Escolha (Plus). Levi Fidelix, do PRTB, disse que, se eleito, investirá em escolas e creches 24 horas, mas não esqueceu o aerotrem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.