Marta aposta em 'copiadora do Kassab' em spot na TV

No começo da semana, a candidata do PT disse que o prefeito não era tucano, mas era 'papagaio'

Andréia Sadi, do estadao.com.br

26 de setembro de 2008 | 12h46

O candidato do DEM, Gilberto Kassab, virou personagem principal em spot da candidata Marta Suplicy, PT, na TV. Na propaganda, um ator com as formas do prefeito aparece com o plano de governo de Marta embaixo do braço indo em direção a uma máquina copiadora, a "copiadora do Kassab". "Todo dia o Kassab pega uma proposta da Marta e apresenta como se fosse dele", diz o locutor.   Veja Também:   O vídeo  'Deixem se matarem', diz Marta sobre disputa entre adversários Veja a conturbada aliança PSDB e DEM  Especial: Perfil dos candidatos  Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado' Ibope: Veja números das últimas pesquisas    No começo da semana, Marta disse que Kassab não era tucano, mas "era papagaio". Em resposta, o prefeito disse que era só "comparar as gestões". "Eu não quero copiar o que ela fez, graças a Deus, porque ela deixou escola de lata, sala de lata. Ela ficou quatro anos lá e preferiu fazer CEU e deixar criança estudando em escola de lata, sala de lata. Eu não, primeiro acabei com as escolas de lata e depois comecei a fazer escolas e também CEUS ,para acabar com terceiro turno. E vou acabar com isso", disse.   Nesta sexta-feira, no rádio, a petista voltou a insistir na idéia, ao dizer que a Prefeitura não fez nada para melhorar o trânsito e "abandonou o que fizemos", referindo-se à sua gestão na cidade. "Para vencer essa crise, é preciso investir em transporte", afirmou. O programa afirma ainda que Kassab aumentou a tarifa de ônibus e criou a lei para cobrar ISS dos taxistas. "Tá pensando que o povo é trouxa?", diz o apresentador. Marta apresentou propostas para segurança, como a volta da ronda escolar e um sistema eletrônico para vigiar áreas violentas. Também propôs a retomada do programa "Morar no centro" e o Bolsa-aluguel.   (Com Gisele Silva, do estadao.com.br)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.