Marta admite derrota e liga para Kassab para parabenizá-lo

'Agora cabe ao povo de São Paulo fiscalizar e cobrar os compromissos assumidos pelo novo prefeito', afirmou

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

26 de outubro de 2008 | 19h45

A candidata derrotada do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, disse neste domingo, 26, que telefonou ao prefeito reeleito Gilberto Kassab (DEM) para cumprimentá-lo pela vitória na eleição municipal. "Acabei de telefonar para o prefeito Kassab para parabenizá-lo". Ela aproveitou para frisar que a partir deste momento é responsabilidade da população cobrar pelas promessas feitas pelo seu adversário. "Agora cabe ao povo de São Paulo fiscalizar e cobrar os compromissos assumidos pelo novo prefeito", disse a petista, durante breve pronunciamento na porta de sua residência, no bairro Jardim Europa, na zona Oeste da Capital.  Veja também:Kassab sai vitorioso e ficará mais 4 anos na Prefeitura de SPGaleria de fotos: 'O dia de Marta'Em disputa apertada, Paes vence Gabeira no RioMárcio Lacerda, do PSB, é eleito prefeitoGeografia do voto: desempenho dos partidos no País Cobertura completa das eleições 2008 Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos  Marta não respondeu às perguntas da imprensa. "Eu desejo o melhor para nossa cidade", sinalizou. A petista passou o dia reunida com a família em sua casa. No final da tarde, vieram acompanhá-la na apuração dos votos correligionários, como o candidato à vice por sua chapa, o deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB), o coordenador da campanha, Carlos Zarattini (PT) e o ministro do Turismo, Luiz Barreto (PT). Também estavam presentes membros da equipe de coordenação, o deputado federal Jilmar Tatto (PT) e os estaduais Rui Falcão (PT) e Simão Pedro (PT). A petista não disse nada a respeito do que fará após a derrota nas eleições. Ela aproveitou para agradecer "aos milhões de eleitores que tiveram confiança e votaram na gente, à militância do PT, aos sindicatos e aos partidos aliados". A rua onde Marta mora ficou cheia durante boa parte do dia de veículos de imprensa, mas a militância não compareceu para prestigiá-la. Ao longo do dia, diversos carros passaram pela frente da porta de sua casa, hostilizando-a e exclamando "Kassab". Jilmar Tatto, um dos coordenadores da campanha de Marta, acusou as "elites" de organizar um movimento para derrotar a candidatura do PT na eleição municipal. "Foi uma frente das elites de São Paulo para derrotar a candidata do PT", criticou. Ele avaliou que foi uma disputa política bastante acirrada, mas acredita que a petista "resistiu muito". Tatto acusou Kassab de utilizar a máquina pública durante a campanha. "O uso da máquina da Prefeitura e do Estado foi muito grande." Antes de Marta reconhecer a derrota, Tato prometeu que, se Kassab fosse eleito, o PT iria cobrar as promessas feitas durante a campanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.