Marqueteiros eleitorais travam disputa particular

João Santana e Luiz Gonzalez, responsáveis pelas campanhas de Haddad e Serra, se enfrentam pela quarta vez

JULIA DUAILIBI, VERA ROSA, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2012 | 03h06

Se o segundo turno na eleição de São Paulo é o palco principal para a polarização entre PT e PSDB, protagonizada pelos candidatos Fernando Haddad e José Serra, nas coxias ocorre um duelo bem mais discreto. Longe dos holofotes, os jornalistas João Santana e Luiz Gonzalez, marqueteiros do petista e do tucano, respectivamente, se enfrentam pela quarta vez, num embate que se tornou um clássico eleitoral.

Nas últimas três eleições, as nacionais de 2006 e 2010 e a municipal de 2008, os marqueteiros estiveram à frente da propaganda petista e tucana no rádio e na TV. Santana levou as duas presidenciais. Gonzalez, a municipal. O novo enfrentamento se dará nos próximos 15 dias, em doze programas do horário eleitoral, que recomeça amanhã.

Santana terá de vender o candidato que apresenta como novo, mas que é atacado por pertencer a uma estrutura já conhecida do eleitor, o PT, num momento em que a cúpula do partido é condenada pela Justiça por participação no mensalão. Gonzalez, por sua vez, trabalhará com um candidato que disputou cinco das últimas seis eleições no País, que enfrenta alta taxa de rejeição e é ligado à atual administração, mal avaliada pelo eleitor.

"Patinhas" e "Espanhol", como são conhecidos Santana e Gonzalez, têm em comum a crítica à mitificação dos marqueteiros. São mais reservados que os antecessores Duda Mendonça e Nizan Guanaes, que fizeram as campanhas do PT e do PSDB na eleição de 2002. Ex-repórteres - Santana é autor da reportagem com o motorista Eriberto França, que se tornou peça-chave no escândalo que derrubou o ex-presidente Fernando Collor -, conversam com os jornalistas nas campanhas apenas "em off".

"Eles têm estilos diferentes. Mas os dois são muito eficientes", afirma o empresário da área de comunicação Valdemir Garreta, amigo de ambos. Santana faz programas com estética apurada e apelo emocional. A propaganda de Gonzalez é sóbria, quase como uma reportagem.

Nesta campanha, os dois comandam estruturas com mais de 150 pessoas, de diretores de fotografia a assessores de imprensa. O embate alcançou o campo tecnológico: para filmar os candidatos, compraram as câmeras mais sofisticadas no mercado, usadas por cineastas europeus e americanos. Não é à toa que a comunicação se tornou responsável pela maior parte dos gastos na campanha - estimativas de petistas e tucanos apontam para orçamento de cerca de R$ 30 milhões.

Os dois dizem o que o candidato pode e o que não pode falar, além da forma como ele deve discursar. Dão palpites nas propostas de governo e até nas alianças. Santana batizou como "Arco do Futuro" o projeto urbanístico de Haddad. Aconselhou o candidato a substituir camisas listradas por lisas. Fez com que aparasse o topete e as laterais do cabelo para ficar com visual mais moderno. Gonzalez trocou o azul e amarelo do logo do PSDB pelo azul e laranja, cor considerada mais jovial. Foi determinante também na escolha do vice de Serra, Alexandre Schneider.

Santana se dividiu, nesta eleição, no comando de três campanhas presidenciais internacionais, entre as quais a da Venezuela, de Hugo Chávez, e petistas dizem que ele está pouco acessível. Gonzalez, que entrou em atrito com a cúpula do PSDB em 2006 e 2010, aumentou a abertura com a área política.

Os dois abastecem a coordenação das campanhas com os "trackings" diários, pesquisas que mostram oscilação no humor do eleitorado - a do PT é feita na rua e a do PSDB, por telefone. Invariavelmente, os resultados são mais positivos para seus candidatos que os dos institutos de pesquisas.

Campanhas. Nascido na cidade de Tucano, na Bahia, Santana, de 59 anos, começou a trabalhar com o PT em 2005, no auge do escândalo do mensalão. Foi chamado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em agosto daquele ano, depois que Duda Mendonça, de quem foi sócio até 2001, admitiu ter recebido dinheiro de caixa 2 do PT.

Santana fez a campanha que reelegeu Lula em 2006 com o slogan "Deixa o homem trabalhar". Logo que começou a assessorar o então presidente, encomendou pesquisas e concluiu que a saída da crise estava no apoio dos movimentos sociais. Foi aí que entrou em cena o mote "Mexeu com Lula, mexeu comigo".

Naquele primeiro confronto, o paulistano Gonzalez, de 59 anos, lançou Geraldo Alckmin com o slogan "O Brasil precisa de um gerente, Geraldo presidente". Vitorioso em 1994 e 1998, com Mario Covas em São Paulo, e em 2002, com Alckmin, conseguiu levar o tucano para o segundo turno, mas a candidatura perdeu musculatura no embate sobre privatizações. Lula obteve o segundo mandato na esteira de escândalos como o do mensalão e dos aloprados - dossiê feito por petistas com denúncias contra Serra.

Em 2008, Gonzalez dirigiu a vitoriosa campanha à reeleição do prefeito Gilberto Kassab (PSD). Santana, que comandou a equipe da ex-prefeita Marta Suplicy, foi atacado por colocar no rádio e na TV comerciais com questionamentos sobre a vida privada de Kassab. "O que você sabe sobre Kassab? Ele é casado? Tem filhos?", indagava o filme.

A revanche veio em 2010, quando Santana recebeu de Lula a missão de eleger Dilma Rousseff. Caloura na política, Dilma teve embates com Santana na eleição e chegou a rasgar texto que ele havia redigido. Paciente, o marqueteiro se aproximou aos poucos e foi responsável por repaginar o visual da petista.

Escalado novamente pelo tucano, Gonzalez fez uma campanha voltada para eleitores simpáticos ao PT, mas que queriam Serra para promover mudanças. Pôs o tucano no 2.º turno, mas perdeu a eleição. No quarto round da disputa, Santana começou antes. Já em fevereiro trabalhava na imagem de Haddad. Gonzalez resistiu mais. Não pretendia fazer essa eleição, mas foi levado por Serra.

Diferentemente das outras campanhas, Patinhas e Espanhol não se procuraram nem conversaram por telefone. A depender do resultado, este pode ser o último embate. Santana pensa em terminar um livro. Gonzalez estuda roteiro para cinema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.