Mariz afirma que depoimento é 'falacioso'

O criminalista Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, que representa Adilson Primo, reagiu enfaticamente à acusação do compliance da Siemens. "O depoimento, na verdade, foi prestado em termos falaciosos e, portanto, não corresponde à verdade. Esse mesmo senhor está servindo de linha auxiliar da Siemens, inclusive na defesa dos interesses da empresa na ação trabalhista." Mariz afirma: "Estranhamente, o que ele (Mark Gough) disse no inquérito não foi dito na ação trabalhista. Em nenhum momento a Siemens, na ação trabalhista, suas testemunhas e a própria juíza na sentença afirmaram que Primo houvesse sido o idealizador dessa operação envolvendo a conta de Luxemburgo". Ele ressalta que Primo foi demitido por suposta desídia, não por corrupção, "e a juíza assim reconheceu". Mariz destaca que os executivos da Siemens que fizeram leniência "em nenhum momento acusaram Primo de qualquer ilicitude".

O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2013 | 02h07

Paulo Pires, por sua defesa, alegou desconhecer "completamente esse assunto, não tem noção nenhuma do que isso possa ser". A Marinha esclareceu que Marcos Honaiser passou para a reserva em 1985 e que "não tem conhecimento do inquérito". Procurado pela reportagem, Honaiser não respondeu às ligações.

Mais conteúdo sobre:
Cartel dos trens

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.