Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

'Deus o livre aquela pessoa tivesse uma arma de fogo' diz Marina sobre atentado contra Bolsonaro

Candidata da Rede reforçou segurança e foi cercada por cordão de isolamento na caminhada no centro de São Paulo

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

08 Setembro 2018 | 13h15
Atualizado 08 Setembro 2018 | 15h24

SÃO PAULO - A ex-ministra Marina Silva, presidenciável da Rede, comparou neste sábado, 8, o atentado contra o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, com o assassinato de Marielle Franco e os tiros dados contra um ônibus da caravana do ex-presidente Lula. "Fico pensando: Deus o livre aquela pessoa tivesse uma arma de fogo, o que poderia ter acontecido", disse a ex-senadora. Ela ainda defendeu o uso do respeito contra a violência e disse que as eleições 2018 podem encerrar o ciclo de polarização no qual o País entrou. 

"O que vai nos defender contra a violência não é um arma na mão. É o amor e o respeito uns pelos outros dentro do coração, independente de cor, raça e ideologia", afirmou a candidata, que foi à Rua 25 de Março, no centro de São Paulo, para fazer uma caminhada "pela paz". O ato reuniu cerca de 30 militantes da sigla, que se misturaram à multidão de populares que fazia compras por um dos principais centros de comércio da cidade.

Marina chegou de táxi e logo foi cercada por quatro seguranças. Três homens e uma mulher formaram um cordão isolamento em torno da candidata e a acompanharam durante todo o percurso. "Essas eleições nos dão a possibilidade de pôr um ponto final na polarização, no ódio e na violência", afirmou. Essa foi a primeira manifestação de rua da candidata depois do ato de violência. 

"Em 2014, foi violência política. Agora é a violência física. Foi assim no assassinato de Marielle, nos tiros contra um ônibus da caravana do ex-presidente Lula e agora com esse atentado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.