Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Marina diz que Lula é corrupto e Justiça deve chegar a outros políticos

Candidata da Rede, que foi ministra do Meio Ambiente do ex-presidente por cinco anos, afirma, no entanto, que não é preciso 'tripudiar' de presos

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2018 | 11h25

RIO - Ex-petista e ex-ministra do Meio Ambiente do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) por cinco anos, a candidata da Rede à Presidência nas eleições 2018, Marina Silva, disse nesta terça-feira, 11, acreditar que ele é corrupto. Lula está preso pela Lava Jato, condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro.

A candidata afirmou, no entanto, que não é preciso “tripudiar” de presos, e a Justiça deve chegar a outros políticos, como o presidente Michel Temer (MDB) e deputados que cometeram malfeitos.

Marina disse que não pensou em votos quando de sua defesa do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2014. “Apoiei o impeachment por convicção. Houve crime de responsabilidade. Defendi a chapa Dilma-Temer, porque são farinha do mesmo saco, caroço do mesmo angu. Se tivesse havido nova eleição, o Brasil chegaria melhor a 2018”.

Facada desmoralizou armamentismo de Bolsonaro

Para a candidata da Rede, a  facada no abdome sofrida pelo candidato do PSL, Jair Bolsonaro, desmoralizou sua defesa de armar a população.  “A proposta de Bolsonaro não foi desmoralizada por um discurso, mas por um ato. O ato desmoralizou. Ela não funciona, não funcionou para ele, altamente protegido, por que vai funcionar para a dona de casa?”, disse, em sabatina no jornal “O Globo”, no Rio.

“Graças a Deus ele não morreu, que aquela pessoa não tinha arma de fogo. Se a proposta do Bolsonaro já estivesse aprovada, arma de fogo na mão de todo mundo, o que poderia ter acontecido com ele e com as pessoas que estavam lá?”, continuou. “Foi uma demonstração concreta de que isso não funciona. Ele estava com vários policiais federais armados, PMs, tinha segurança pessoal, um contingente enorme, e isso não o protegeu de uma facada de uma pessoa que fez aquele ato inaceitável”.

Ao avaliar a liderança de Bolsonaro nas pesquisas de intenção de voto, alavancada pela defesa do armamento, entre outros fatores, Marina afirmou: “A gente vive momento difícil na história do Brasil. Foram muitas decepções, as pessoas estão muito decepcionadas com o que fizeram o PT e o PSDB.”

Defesa do Estado laico

Evangélica, a candidata também foi questionada pelos jornalistas sobre questões que geram polêmica junto ao eleitorado religioso, como o aborto e a descriminalização das drogas. “Sou contra a liberação das drogas e contra o aborto, mas não quero a violência e o problema da dependência química e nem que as mulheres tenham gravidez indesejada”, afirmou. “O debate não foi feito como deveria. Para esses casos, a gente tem que fazer plebiscito, entrando no mérito do que é mais eficiente”.

Ela tentou se afastar do discurso conservador vinculado aos políticos evangélicos. “Não existe nada na minha vida que ateste que sou contra o Estado laico. Depois que virei cristã evangélica, as pessoas, fazendo generalizações, passaram a colocar esse tipo de dúvida em relação à minha pessoa. Agora, do ponto de vista dos valores cristãos, temos que defender o amor”.

Marina afirmou ainda que é prejudicada pelo preconceito contra a mulher, vista como “fraca”, e garantiu que é “uma das mais amadas” pelo eleitorado feminino. “Para dar o voto é mais um passo”, disse. Ela lembrou o tempo em que foi ministra do governo Lula e disse que sentia falta de mais mulheres no poder. Falando sobre seu projeto para a segurança pública, associou o combate à violência a melhorias na educação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.