Marília Arraes diz que acordo entre PSB e PT é 'ataque especulativo' à sua candidatura

Em vídeo divulgado nas redes sociais, vereadora afirma que se mantém na disputa ao governo de Pernambuco

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 17h01

A vereadora do Recife Marília Arraes, pré-candidata do PT ao governo de Pernambuco, classificou como “ataque especulativo” a divulgação do acordo entre as direções nacionais do PT e do PSB que prevê a retirada de sua candidatura em troca da neutralidade dos socialistas na eleição presidencial.

Em vídeo divulgado na tarde desta quarta-feira momentos antes da votação que decidiu pela retirada de sua candidatura, Marília afirmou que mantém seu nome na disputa ao governo e convoca os delegados do partido a comparecerem nesta quinta-feira ao encontro do PT pernambucano que vai decidir sobre a candidatura própria ou apoio à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). A vereadora, no entanto, não tem poder diante de uma resolução nacional do partido, que retirou a candidatura de Marília por 17 votos a 8. 

 

 

“Este é mais um grande ataque especulativo para desmobilizar a nossa militância, a base de delegados que amanhã vai decidir se o PT vai ter candidatura própria ou vai à aliança”, diz a vereadora. “Estão dizendo por aí que já bateram o martelo, que houve uma negociação de gabinete e a executiva nacional está enquadrando o PT de Pernambuco. Nada disso é verdade”, completa Marília.

Desde segunda-feira a direção nacional do PT negocia objetivamente a retirada da candidatura de Marília em favor de Câmara como uma das condições para o PSB ficar neutro e, assim, isolar o candidato do PDT, Ciro Gomes. A informação foi repassada ao Conselho Consultivo do PT. Avaliações internas mostram que Marília tem hoje a maioria dos delegados que vão votar no encontro de amanhã.

Resolução do diretório nacional do PT diz que as candidaturas estaduais estão subordinadas à política de alianças nacional mas a direção petista busca uma saída negociada para evitar sequelas. Marília promete resistir. “Estamos firmes. Não vamos deixar que a esperança do povo de Pernambuco seja usada como moeda de troca”, diz ela. “É importante que que você delegado venha votar amanhã e aprove a candidatura própria”, completa a vereadora de 34, neta do ex-governador Miguel Arraes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.