Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Marcinho VP deu entrevistas, Lula não pode?', questionou Gleisi

No Recife, presidente do PT critica decisão de proibir Lula de participar de entrevistas e da convenção do partido 

Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2018 | 23h24

RECIFE - A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), criticou nesta quarta-feira, 11, na sede do partido em Pernambuco, a juíza Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, que proibiu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, de participar de entrevistas e da convenção do partido. A senadora disse que lamentava a decisão porque “até Marcinho VP, traficante, deu entrevistas” e acusou o judiciário de transformar o Brasil em uma “republiqueta de bananas”.

“Um criminoso deu entrevistas, o presidente Lula que é a maior liderança popular desse país e está com seus direitos políticos preservados não pode dar entrevistas? O que se faz com Lula é uma injustiça atrás da outra, mas o povo não vai abandonar ele. Essa perseguição política está ficando feio para o Brasil no mundo. As pessoas olham e dizem: republiqueta de bananas que não tem uma democracia forte, que não respeita suas instituições”, afirmou.

Gleisi também criticou a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, por acusar o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Rogério Favreto de prevaricação ao conceder habeas corpus ao ex-presidente petista enquanto estava de plantão no domingo, 8.

++ 'Eu nem sairia de Curitiba', diz Lula a advogado

“[Sérgio] Moro não prevaricou impedindo o cumprimento da sentença pela Polícia Federal? Não observando o devido processo legal? Em que país estamos vivendo?”, questionou.

Aliança

Durante quatro horas, Gleisi esteve reunida com a cúpula do PT em Pernambuco para conversar sobre o futuro do partido nas eleições 2018. No Estado, o partido se divide entre lançar candidatura própria, da vereadora Marília Arraes, ou compor a chapa do governador Paulo Câmara, pré-candidato à reeleição. De acordo com a senadora, as conversas com os pessebistas continuam, mas não há avanços.

Gleisi também discutiu sobre o calendário de atos em defesa de Lula que deve culminar com o registro da candidatura dele no dia 15 de agosto em Brasília. O senador Humberto Costa (PT), um dos mais entusiastas da aliança com Câmara, não participou do encontro. Segundo sua assessoria de imprensa, ele teve “agenda parlamentar” em Brasília.

++ Presidente do STJ nega 143 habeas corpus ‘padronizados’ a favor de Lula

"O PSB precisa de tempo para fazer uma construção política interna que não fragilize a legenda. Nós também temos um processo de construção das nossas decisões e obviamente que queremos sair fortalecidos. Se não der aliança, o que a gente sente, aqui temos nossa candidatura própria, vamos fazer campanha e defender Lula”, declarou a presidente.

Com pouco tempo até as convenções, que devem acontecer de 20 de julho a 5 de agosto, segundo a legislação eleitoral, Gleisi recomendou que o diretório pernambucano se dedique a apresentar “de maneira mais rápida” os pré-candidatos a deputados estadual e federal.

Pelas contas do presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro, cerca de 45 nomes estão colocados para disputar vagas nas duas casas — o partido não tem representante de Pernambuco na Câmara. “É preciso também fechar e apresentar o programa de governo. Se fizermos a aliança, vamos apresentar à coligação. Se não fizermos, vamos caminhar em cima dele”, disse. 

++ Habeas de Lula tem até 8% de interferência de robôs nas redes, diz FGV-DAPP

Maior interessado na chapa com o PT, o governador do Estado e vice-presidente nacional do PSB, Paulo Câmara, toma café da manhã com Gleisi nesta quinta-feira, 12, no Palácio do Campo das Princesas. De acordo com a vereadora do Recife e pré-candidata ao governo pernambucano, Marília Arraes, a conversa com Gleisi “foi muito tranquila”. Sobre a possibilidade de aliança com Câmara, Marília foi taxativa: “Eu não vou ser incoerente com o que eu defendo, ela sabe muito bem disso”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.