Máquinas em ação

A deflagração da campanha quase dois anos antes da eleição não é um problema em si. Desde que a disputa na conquista antecipada de espaço se dê entre os partidos. O máximo que pode acontecer é o eleitorado não dar a menor pelota à movimentação dos políticos.

Dora Kramer, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2013 | 02h04

O que não pode e o que lei (a Constituição, inclusive) proíbe expressa e claramente é o uso de governos na prática eleitoral, como vem ocorrendo. Em proporções diferentes, o governo federal e os estaduais de Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro vêm funcionando - uns mais, outros menos - ao molde de comitês eleitorais de seus respectivos candidatos a presidente e a governador.

Os efeitos são incomparáveis, é verdade. O peso do uso da máquina federal é proporcional ao seu poder. Na essência, porém, não há diferença de conduta: tanto extrapola a presidente Dilma Rousseff quando se vale do acesso a cadeias de rádio e TV para propagandear medidas do agrado popular, quanto exorbita o governador Eduardo Campos ao fazer do Diário Oficial de Pernambuco um folheto de fatos e fotos personalistas.

Tanto faz uso da função o governador de São Paulo ao comparecer a eventos ao lado do senador Aécio Neves dizendo que não se trata de uma "agenda eleitoral", quanto se desvia do objetivo do cargo o governador Sérgio Cabral Filho ao lançar mão da propaganda oficial para promover seu candidato a sucessor, Luiz Fernando Pezão.

Esse não é um cenário de disputa política entre partidos - PT, PSDB, PSB e PMDB -, repetindo, sem fazer juízo na escala de valores em que o governo federal extrapola mais que todos e desequilibra totalmente a balança.

É um quadro de ilegalidade oficialmente consentida em que a máquina feita para funcionar para todos é posta a serviço de uma parte. Sob qualquer ângulo que se olhe, isso não pode. É fazer o diabo ainda na antessala do inferno.

Educação política. Muito se tem falado que o deputado Marco Feliciano não é causa, mas consequência dos males do Congresso Nacional - menos pelas bobagens que diz e mais por suas contas abertas com a Justiça. De fato.

Guardadas as proporções, na essência aplica-se o mesmo raciocínio à chocante eleição de Severino Cavalcanti para a presidência da Câmara, em 2004. Note-se: para suceder João Paulo Cunha, que àquela altura já tinha cometido os crimes pelos quais viria a ser condenado seis anos depois, o que demonstra o acerto da premissa sobre causa e consequência. Isso não deve levar à aceitação dos modos de Feliciano, mas à reflexão de que a ausência da compreensão dos processos políticos (no caso, o legislativo) resulta em confusão na escolha dos modos de protesto e anula a eficácia da reação da sociedade, que, por isso, acaba concluindo que não adianta reagir.

Adianta sim, desde que se saiba como fazer. E para saber é preciso se interessar e entender primeiro como as coisas funcionam. Em suma: não basta se indignar, é preciso participar com discernimento sobre quais os caminhos a trilhar.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos se diferencia da maioria no quesito opinião, mas se iguala a muitos no uso indevido de verbas parlamentares e na condição de alvo de processos criminais.

Severino não caiu por ser retrógrado e histriônico, embora tenha deixado isso bastante claro logo que assumiu a presidência, o que não o impediu de ser tratado durante um bom tempo com reverência e com direito a romaria ao gabinete.

Caiu porque recebia propina para renovar a licença para um restaurante na Câmara. Em uma palavra: corrupção. Este é o ponto a ser tratado com intolerância em relação a uma instituição transformada em casa de tolerância na acepção do termo.

Mais conteúdo sobre:
Dora Kramer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.