Maluf sobre saúde: rico não precisa, o povo vai ter atendimento

Em sua réplica, Renato Reichmann diz que o atendimento de saúde em São Paulo 'não pode esperar'

da Redação,

31 de julho de 2008 | 23h41

O candidato Renato Reichmann perguntou a Paulo Maluf qual sua sugestão imediata para a questão da saúde. Como no início do debate, o candidato do PP disse que investir no PAS, que, segundo ele, "foi o melhor plano de saúde da cidade de São Paulo".   Veja também: Fórum: Na sua opinião, quem se saiu melhor no debate? Kassab provoca Marta e desafia: 'Quem criou mais taxas'? 'Educação na gestão Alckmin foi pior que a do Piauí', diz Maluf Marta prega 'união' com Serra e Kassab se diz parceiro de Lula Kassab fala sobre 'fichas-sujas' e se defende de acusações Sem citar Marta, Kassab diz que 'faz corredor como se deve' Contra poluição de carros, Maluf quer 'freeway' nas marginais Conheça os candidatos nas principais capitais  Calendário eleitoral das eleições deste ano  Especial tira dúvidas do eleitor   Veja as regras para as eleições municipais   "Vou implantar isso, mas a saúde pública tem que funcionar, tem que ter remédio, médico para o povo que não tem plano de saúde", disse Maluf.   Na replica, Reichmann disse que o atendimento a saúde não pode esperar. "Atendimento das Amas tem que funcionar 24 horas por dia, UDS também, convênios também. Medicina preventiva, tem que ser amanhã. Um pouco de dinheiro hoje economiza muito amanhã".   Maluf defendeu o trabalho de entidades parceiras durante a sua gestão como prefeito da cidade. "Funcionou porque tinha gestão, é preciso gente correta, gente competente, que ama, como as freiras que fazem trabalho na Zona Leste, hospitais como Albert Einstein, Sírio libanês e ONGS.   "O rico não precisa, o povo vai ter atendimento", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2008debate

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.