Maluf diz que constuirá mais Cingapuras e defende volta do PAS

Candidato do PT critica Marta Suplicy e diz que a petista perdeu eleição passada por causa de CEU Saúde

Elizabeth Lopes e Anne Warth, da Agência Estado, e,

04 de setembro de 2008 | 14h03

O candidato do PP à Prefeitura de São Paulo, Paulo Maluf, afirmou nesta quinta-feira, 4, no quarto dia de sabatina que o Grupo Estado promove com os que concorrem à maior Prefeitura do País, disse que o paulistano quer a manutenção do PAS e lamentou que a adversária Marta Suplicy (PT) acabou com esse programa. "A Marta perdeu a eleição (em 2004) porque inventou o CEU Saúde. O programa eleitoral agüenta tudo, uma coisa é prometer, outra coisa é sentar naquela cadeira e fazer funcionar. Se não tem gestão, não funciona", disse. O vídeo da sabatina pode ser visto na TV Estadão (clique aqui).  Veja também:Especial: Perfil de Paulo Maluf Maluf acusa Marta de mentir e critica obra de Alckmin no TietêMaluf diz que é perseguido e explica 'Estupra, mas não mata'Para Maluf, carro parado é o que causa poluição em São PauloApesar das críticas a Marta, Maluf elogia CEUs e bilhete únicoVeja galeria de fotos da sabatina  Blog: confira as principais declarações de MalufVeja gráfico com a última pesquisa Ibope/Estado/TV GloboVereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP As regras para as eleições municipais  Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubroSobre habitação, Maluf disse que, se eleito, vai construir mais Cingapuras. E citou que a Zaki Narchi era "a favela mais imunda de São Paulo e hoje tem muita dignidade, com diversos apartamentos". Segundo ele, o Cingapura não deu só moradia, deu dignidade para a população. A respeito de seus planos para o setor de educação, Maluf disse que ele contou com um dos melhores educadores do País, Sólon Borges dos Reis, presidente do centro do professorado paulista. E disse que pretende fazer na cidade a educação de melhor qualidade do País. Além disso, citou que em sua gestão instalou os primeiros laboratórios de informática, a melhor merenda, duas reestruturações para professores, leve leite, convênio com o então reitor do Mackenzie, o ex-governador Cláudio Lembo, para reciclagem de professores. E disse que sua gestão ficou quatro anos sem greve neste setor. Maluf disse que se for eleito para a Prefeitura, vai instalar laboratórios de informática nas escolas por acreditar que a reciclagem na educação é fundamental. "Se eu não me renovasse como engenheiro, ficava no papel vegetal, na caneta nanquim", exemplificou. E citou que pretende mexer em um plano polêmico, a educação à distância. "As professoras não gostam da educação à distancia, acham que perdem status, ficam como coordenadora daquela aula."  Ao falar se segurança, disse que o setor foi uma das marcas de sua gestão, citando a Rota. E disse que a instalação de câmeras na cidade - proposta apresenta pelo candidato do PSDB, Geraldo Alckmin - começou em sua gestão. "Quando eu tinha a caneta na mão, segurança não faltava. A rota estava em todo o lugar. E o que é a câmera ( de segurança)? É policiamento ostensivo, como a rota. A rota estava lá", explicou. Ao ser questionado sobre o segundo turno, Maluf lembrou que o eleitor manifesta seu desejo apenas nos últimos dias antes do pleito. "Espero ir para o segundo turno e se for prefeito, na minha idade, aos 77 anos, quero ser o melhor", destacou. Na série de sabatinas do Grupo Estado, Marta Suplicy (PT) foi a primeira. Geraldo Alckmin (PSDB) e o atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), deram seqüência. Paulo Maluf (PP) foi o quarto. Em seguida, serão entrevistados Soninha Francine (PPS), na sexta, e Ivan Valente (PSOL), na segunda, dia 8. Todos respondem a perguntas e apresentam suas propostas para as principais áreas da cidade. Logo após a transmissão, os vídeos das sabatinas podem ser vistos no estadao.com.br.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2008Paulo MalufPP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.