Maluf acusa Marta de mentir e critica obra de Alckmin no Tietê

Candidato do PP diz que chamaria o tucano se precisasse de cirurgião, mas sobre obras: 'Chame o Paulo Maluf'

Giuliana Vallone, do estadao.com.br, e Anne Warth ,

04 de setembro de 2008 | 12h00

O ex-prefeito de São Paulo e candidato às eleições deste ano, Paulo Maluf (PP), acusou nesta quinta-feira, 4, a candidata petista, Marta Suplicy (PT), de mentir na propaganda eleitoral gratuita quando diz que construirá 47 quilômetros de metrô se for eleita. E fez outras críticas à ex-prefeita na sabatina do Grupo Estado. Maluf também criticou a obra feita no Tietê na gestão do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. "Se eu tivesse que chamar um cirurgião, eu chamaria o Alckmin. Agora, se é para construir uma obra de engenharia, chame o Paulo Maluf", disse. O vídeo da sabatina pode ser visto na TV Estadão (clique aqui) Veja também:Especial: Perfil de Paulo Maluf Maluf diz que é perseguido e explica 'Estupra, mas não mata'Para Maluf, carro parado é o que causa poluição em São PauloApesar das críticas a Marta, Maluf elogia CEUs e bilhete únicoMaluf diz que constuirá mais Cingapuras e defende volta do PASVeja galeria de fotos da sabatina  Blog: confira as principais declarações de MalufVeja gráfico com a última pesquisa Ibope/Estado/TV GloboVereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP As regras para as eleições municipais  Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubro Ainda sobre a obra do tucano, o candidato do PP disse que "o rio, ao invés de ficar um rio, ficou um lago, uma represa. O que tinha de ser feito eram as colunas de contenção. Então, você teria o rio correndo mais rápido e sem enchentes". "Nós vamos fazer as paredes verticais do rio, e no que sobra de espaço, vão ser 6 faixas de tráfego de cada lado, ou seja, 12 faixas no total", disse. "Vocês (imprensa) têm que desmascarar as mentiras do programa eleitoral gratuito. Ninguém vai fazer 47 quilômetros de metrô em quatro anos. Então ninguém vai fazer mais em quatro anos do que aquilo que foi feito em 40 anos, vocês têm que desmascarar", ironizou. Para o candidato, a proposta de Marta para o metrô não passa de "rabiscos" em um mapa. Ele lembrou que o metrô é responsabilidade do governo de São Paulo, e não da Prefeitura. Além disso disse que de 1968 a 2008 os prefeitos e governadores construíram 50 quilômetros de metrô - na verdade, a malha metroviária hoje é de cerca de 61 quilômetros. Maluf disse que a Prefeitura pode auxiliar o governo a ampliar a malha metroviária, e citou como exemplo o atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), que promete investir R$ 1 bi até o fim de seu mandato. "Mas metrô é de competência jurídica do governador. É como se ela (Marta) prometesse construir um submarino atômico e vocês acreditassem." Maluf afirmou que o metrô da capital paulista começou a ser construído em 1968, quando a maior parte das ações ainda eram feitas pela Prefeitura. Disse, em seguida, que embora o prefeito Faria Lima tenha inaugurado as obras, foi ele (Maluf) quem viabilizou o crescimento do metrô. Obras de Maluf Maluf disse que sua campanha é pobre e enfrenta dois candidatos financiados pela máquina - Marta, pelo governo federal, e Kassab, pela Prefeitura e pelo governo do Estado. "Geraldo Alckmin deve estar enfrentando algumas dificuldades", ironizou. "Minhas campanha é pobre e estou enfrentando dificuldades, sim." "Quem tem a caneta tem mais facilidade de arrecadar, se alguém disser que não é assim não está falando a verdade", declarou. "Não é toma lá da cá, é normal." O candidato disse que foi o melhor prefeito de São Paulo. "Quem melhor construiu e fez essa cidade foi Paulo Maluf", sustentou. Na avaliação dele, o motivo de não conseguir se eleger para o cargo atualmente são os eleitores jovens. "Quem vai votar a primeira vez hoje tinha quatro anos. Tem que relembrar esse povo do que eu fiz e do que o que outros não fizeram", afirmou. De acordo com Maluf, o Orçamento da Prefeitura em sua gestão era bem menor do que atualmente, mas ainda sim ele fez mais por São Paulo que os prefeitos que o sucederam. "Fiz um desafio no programa eleitoral gratuito. Junte eles todos (Kassab e Marta) mais Alckmin (como governador). Eu fiz mais que todos na cidade de São Paulo", defendeu.  Na série de sabatinas do Grupo Estado, Marta Suplicy (PT) foi a primeira. Geraldo Alckmin (PSDB) e o atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), deram seqüência. Paulo Maluf (PP) foi o quarto. Em seguida, serão entrevistados Soninha Francine (PPS), na sexta, e Ivan Valente (PSOL), na segunda, dia 8. Todos respondem a perguntas e apresentam suas propostas para as principais áreas da cidade. Logo após a transmissão, os vídeos das sabatinas podem ser vistos no estadao.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.