Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Malta defende que imagem de Bolsonaro sendo esfaqueado seja usada na campanha

Senador do Espírito Santo é um dos políticos mais próximos do presidenciável do PSL e o visitou no Hospital Albert Einstein, em São Paulo

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

08 Setembro 2018 | 10h48

O senador Magno Malta (PR-ES), defendeu na manhã deste sábado, 8, que a imagem do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) sendo esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG) seja usada na campanha eleitoral do presidenciável. Segundo o senador, a imagem ajuda a derrubar a associação entre Bolsonaro e a violência. 

"É a última imagem que nós temos de Bolsonaro. É a imagem que temos que usar. Uma imagem completamente avessa ao que ele sempre falou. Se Bolsonaro pregasse violência mesmo, os seguidores dele teriam matado o cara (Adelio Bispo de Oliveira) ali. A imagem que vai ficar é essa", disse Malta. 

O senador, um dos políticos mais próximos de Bolsonaro -- chegou a ser cotado para vice do candidato do PSL --,  fez a declaração quando chegava ao Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde o presidenciável está internado desde a sexta-feira, 7

Segundo Malta, Bolsonaro passou a noite "bem", seu estado de saúde é estável, mas ainda carece de cuidados. "É preocupante porque as primeiras 72 horas de um processo cirúrgico como o dele o risco de infecção existe", afirmou. 

O senador confirmou que Bolsonaro está fora da campanha eleitoral nas ruas e disse que este papel, a partir de agora, cabe aos aliados e apoiadores do presidenciável. "O Brasil sabe o que o Bolsonaro pensa, fala e é. Ele não vai ter condição realmente de fazer isso. Mais cinco minutos e ele estaria morto. A recuperação dele não vai ser em 30, 20 dias. Quando os médicos falam em oito, 10 dias, é para a estabilização dele. Agora, ir para debate, entrevista... Daqui para a frente é com a gente, nós que somos Bolsonaro. Se depender dele, não tem condições (de saúde para fazer a campanha)", disse o senador. 

Recuperação

Cirurgiões ouvidos pelo Estado dizem que, em casos como o do presidenciável, os pacientes costumam ficar afastados do trabalho por cerca de um mês, o que impediria o presidenciável de retomar a campanha de rua antes do primeiro turno, marcado para o dia 7 de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.