Mais jovem senador eleito defende redução da maioridade penal

Gladson Cameli, de 36 anos, diz que representa insatisfação das ruas de junho de 2013, mas tem proposta conservadora

José Orenstein, O Estado de S. Paulo

06 de outubro de 2014 | 22h44

O Acre elegeu o senador mais jovem do Brasil: Gladson Cameli (PP), de 36 anos completados em março deste ano. É a mesma idade que Marina Silva tinha quando foi escolhida senadora, também pelo Acre, em 1994. Para ser senador no Brasil é preciso ter no mínimo 35 anos.

Cameli foi eleito com votação expressiva: 58% dos votos, contra 36% de Perpetua de Almeida (PC do B) - em números absolutos, levou mais votos que o candidato ao governo acriano Tião Viana (PT), que vai para o 2º turno com Márcio Bittar (PSDB).

“Ser o mais jovem triplica minha responsabilidade”, diz Cameli, que reivindica representar a insatisfação das ruas de junho de 2013. A juventude do senador, no entanto, não se traduz em novas pautas na sua agenda política, que tem até uma proposta conservadora: redução da maioridade penal para 16 anos. Outras de suas propostas são a diminuição da carga tributária e a instituição de mandatos de 5 anos, sem reeleição e a construção de ponte sobre o Rio Madeira, que ainda mantém o Acre apartado do País. “Com a cheia que tivemos no rio, ficamos isolado. Aí a União diz que não tem dinheiro para fazer a ponte, mas empresta para Cuba, país comunista, fazer um porto?”

Ele é um dos responsáveis pelo rejuvenescimento do Senado - os 27 eleitos têm, na média, 58 anos -, mas não é novato na política. Foi eleito deputado federal pelo Acre em 2006 e reeleito em 2010. Já passou por PPS e PFL antes do PP, e é sobrinho do ex-governador do Acre Orleir Cameli, morto ano passado.

Mais conteúdo sobre:
EleiçõesGledson Cameli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.