Mais de 60 são presos por boca-de-urna no Rio Grande do Sul

Em Porto Alegre, 10 foram detidos; das 30 mil urnas do Estado, 164 foram substituídas por falhas técnicas

Sabrina Craide, enviada do Estado,

05 de outubro de 2008 | 16h15

Mais de 60 pessoas já foram presas neste domingo, 5, no Rio Grande do Sul por fazer propaganda irregular durante as eleições. Em Porto Alegre foram cerca de dez prisões. Segundo o comandante-geral da Brigada Militar, Paulo Mendes, os policiais estão orientados a coibir qualquer tipo de irregularidade.   Veja Também: Cobertura completa das eleições 2008  Especial: Perfil dos candidatos  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos  TSE registra 168 prisões e casos de 509 irregularidades  Imagens da votação pelo Brasil    "Recomendamos que os partidos orientem os filiados para que não se reúnam, não transgridam a legislação, porque a ordem da Brigada Militar é fazer a condução de todos presos à Justiça Eleitoral", disse. Segundo ele, o movimento já era esperado, pois as eleições municipais mobilizam mais os correligionários.   A principal irregularidade, segundo Mendes, é a propaganda de boca-de-urna. "É aquele aperto de última hora, que os candidatos querem forçar a barra e aí temos que tomar uma atitude", afirma.   Das 30 mil urnas eletrônicas do estado, 164 foram substituídas até agora por falhas técnicas, mas nenhuma teve que ser trocada por urnas manuais. A maioria das substituições ocorreu no interior do estado   De acordo com o assessor-chefe da Corregedoria Regional Eleitoral, Josemar Riesgo, a falha nas urnas eletrônicas é inferior às expectativas do Tribunal Regional Eleitoral.

Tudo o que sabemos sobre:
eleição 2008boca-de-urna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.