Filipe Araújo/Estadão
Filipe Araújo/Estadão

Mais de 20 crimes eleitorais foram cometidos no Recife

Segundo a PM, boca de urna foi o crime mais praticado

Anderson Bandeira, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 16h12

RECIFE - Aproximadamente 28 crimes eleitorais foram registrados no Recife e região metropolitana neste domingo, 02, de votação. Segundo informações da Polícia Militar do Pernambuco, a boca de urna, que é proibida pela lei, tem sido o crime mais praticado. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) também registrou problemas em 147 urnas, mas todas já foram resolvidas.  

Neste instante, a votação na capital pernambucana segue tranquila neste domingo (02) de sol forte. Os principais candidatos ao comando da cidade já votaram. Tentando a reeleição, o prefeito Geraldo Julio (PSb) voltou acompanhado da cúpula do PSB no Estado que tem o governador Paulo Câmara e a viuvá Renata Campos. 

O inusitado, no entanto, ficou por conta do principal adversário, o candidato João Paulo (PT), que aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto e pode ir para segundo turno com o socialista. Antes de votar, no colégio IEP, área central do Recife, o petista meditou no comitê. “Hoje o dia está extremamente positivo e, após a meditação, estamos renovados e preparados para o desafio do segundo turno”, afirmou o petista.

Terceiro colocado nas pesquisas, o tucano Daniel Coelho voltou de verde acompanhado da família na zona Sul do Recife. Durante a votação dos candidatos, nenhum protesto ou tumulto foi constatado. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.