REUTERS/Ricardo Moraes/File Photo
REUTERS/Ricardo Moraes/File Photo

Maior rede pró-Bolsonaro do Facebook é excluída após denúncia do ‘Estado’

Páginas violaram as políticas de autenticidade e spam, ao criar endereços falsos e múltiplas contas com os mesmos nomes para administrar os grupos; 68 páginas e 43 contas foram removidas

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2018 | 15h30
Atualizado 26 Outubro 2018 | 19h55

O Facebook removeu nesta segunda-feira, 22, um grupo de 68 páginas e 43 contas da rede social que, juntas, formavam a principal e mais influente rede de apoio e difusão de ideias do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. Segundo a empresa, essas páginas – que pertencem a um mesmo grupo chamado Raposo Fernandes Associados (RFA) – violaram as políticas de autenticidade e spam, ao criar endereços falsos e múltiplas contas com os mesmos nomes para administrar os grupos. O conteúdo compartilhado pelas páginas não teve influência sobre a decisão do Facebook.

Em reportagem publicada no dia 12 passado, o Estado mostrou que o grupo atingiu um alcance tão grande nas redes sociais que superava, em nível de interação no Brasil, a soma dos índices das páginas de famosos. Feita em parceria com a organização internacional de campanhas e mobilização social Avaaz, a reportagem indicou que, num período de apenas 30 dias, os endereços alcançaram 12,6 milhões de interações no Facebook – ou seja, o total de reações a postagens, comentários e compartilhamentos –, ante 1,1 milhão do jogador Neymar e 442,5 mil da cantora americana Madonna.

A empresa que administra o grupo é a Novo Brasil Empreendimentos Digitais Ltda, de propriedade do advogado Ernani Fernandes Barbosa Neto e de Thais Raposo do Amaral Pinto Chaves. As páginas da rede são sempre identificadas com a sigla RFA na descrição. Procurados nesta segunda-feira, depois do anúncio do Facebook, eles não responderam até a conclusão desta reportagem.

“Autenticidade é algo fundamental para o Facebook porque acreditamos que as pessoas agem com mais responsabilidade quando usam suas identidades reais no mundo online”, diz nota divulgada pelo Facebook. A seguir, a empresa afirma exigir “que as pessoas usem seus nomes reais e também proibimos spam, uma tática geralmente usada por pessoas mal intencionadas para aumentar de maneira artificial a distribuição de conteúdo com o objetivo de conseguir ganhos financeiros”.

Embora se declarasse como independente, a rede administrava endereços como “Apoio a Jair Bolsonaro” e, durante a divulgação dos resultados do primeiro turno, comemorou nas páginas vitórias como as dos candidatos Eduardo Bolsonaro e Janaina Paschoal, ambos do PSL. A RFA também já recebeu recursos no ano passado tanto do PSL, por meio da cota parlamentar do deputado Delegado Francischini, quanto do PRTB – sigla do general Hamilton Mourão, vice na chapa de Bolsonaro – pelo fundo partidário. 

O maior puxador de interações da RFA era uma página chamada Movimento Contra Corrupção (MCC), de uma entidade criada por Ernani, Thais e outros membros em 2013, no auge dos protestos de rua contra o aumento da passagem de ônibus e, mais tarde, contra a corrupção generalizada no País. Em abril, O MCC protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de impeachment de todos os 11 ministros, por entender que eles haviam cometido crime de responsabilidade ao decidirem julgar habeas corpus apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato. 

Na época, o documento foi protocolado pelo ator Alexandre Frota – filiado ao PSL e recém-eleito deputado federal por São Paulo. A página dele também foi criada pela rede, mas não foi excluída pelo Facebook.

Em textos que Ernani e outros criadores do movimento escreveram para inaugurar o MCC, eles criticavam o que chamam de “parcialidade da imprensa”, diziam ser “contra a intervenção militar” e defendiam “ações contra a corrupção que sejam apartidárias” e “abertas a todas concepções ideológicas, com exceção, evidentemente, das extremas direita e esquerda.”

Para o coordenador da Avaaz, Diego Casaes, a decisão do Facebook representa “um grande alerta para as plataformas de rede social, para o Tribunal Superior Eleitoral e para o Congresso”. “A rede RFA era mais do que o dobro do que pensávamos, e as evidências sugerem que há muitos outros atores maliciosos inundando as mídias sociais com mentiras para influenciar as eleições. Essa enorme ameaça à nossa democracia exige uma resposta massiva. O Facebook deve alertar todos que tiveram contato com essa teia e emitir correções imediatamente.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.