Maia vê 'intimidação' em declarações de ministro do Supremo

Sem citar nomes, Celso de Mello havia dito que descumprir decisão da Corte é 'inadmissível' e configura 'prevaricação'

EDUARDO BRESCIANI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2012 | 02h05

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), reagiu ontem às declarações do ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, e classificou como uma tentativa de "intimidação" a afirmação de que ele poderia cometer crime de prevaricação se não cumprisse a determinação da Corte de declarar a perda do mandato de parlamentares condenados no processo do mensalão.

"Isso é uma tentativa de tentar intimidar a Câmara, mas ninguém intimida o Parlamento brasileiro", disse. "Quem faz a lei é o Parlamento, quem escolhe ministros (do Supremo) é o Senado e quem define regras de como deve funcionar o poder público é o Parlamento. Então, não cabe intimidação, cabe a harmonia e o respeito à prerrogativa dos poderes."

Na última sessão do mensalão, Celso de Mello, decano do Supremo, não citou Maia, mas foi duro e disse que um eventual descumprimento da decisão da Corte seria "inadmissível".

Maia reafirmou que a Câmara vai recorrer e sugeriu a possibilidade de recuo do STF nesse caso. "Acho que a sociedade, os juristas, quem conhece desse assunto tem de falar sobre o tema até para que o Supremo Tribunal Federal na hora de julgar essa questão novamente o faça à luz do pensamento médio da sociedade."

A aposta é na participação de ao menos dois novos ministros no julgamento dos recursos. Os mandatos somente serão interrompidos após a análise dos embargos.

O posicionamento da Câmara, porém, depende da futura Mesa Diretora, que será eleita em fevereiro de 2013. Favorito, o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), não quis falar sobre o assunto. "Não falo sobre isso de jeito nenhum. Esse assunto é com o presidente Marco Maia. Eu só falo de tema bom."

Seus adversários na disputa manifestaram posições divergentes. Júlio Delgado (PSB-MG) entende que a Câmara deve mandar o processo para o plenário e cumprir sua prerrogativa. "O Congresso tem a prerrogativa de votar o processo. A Câmara não pode se omitir. Temos de esperar a publicação do acórdão para ver como isso será feito", disse.

Também candidata, Rose de Freitas (PMDB-ES) acredita que o ideal seria repassar ao STF todos os casos de cassação, inclusive os relativos a quebra de decoro parlamentar. "É uma invasão de prerrogativa, mas temos de cumprir. Isso acontece porque nós permitimos por não entender que em certas ocasiões temos de cortar na carne."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.