Magistrado admite volta ao local do crime

O juiz Paulo Hamilton Siqueira Junior confirmou à Polícia Federal que, de fato, retornou à cena do crime. A PF constatou que o magistrado esteve na Rua Haddock Lobo, na noite de 9 de setembro, indagando funcionários de um prédio e de uma loja da rede Fran's Café se ali havia câmeras de circuito fechado de TV.

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2013 | 02h01

Chamado para reinquirição na Polícia Federal, no dia 20 de fevereiro, o juiz declarou. "Realmente compareci naqueles locais para verificar se algum segurança ou câmera de filmagem pudessem ter alguma imagem ou fato que pudesse auxiliar na investigação e se alguém havia comparecido ao local indagando acerca de imagens." Hamilton disse que "imaginou que os meliantes poderiam ter voltado ao local para obstar provas".

Apoio. A cúpula do TRE-SP saiu em defesa de Siqueira Junior, sob suspeita de ter inventado o próprio sequestro. Em sessão plenária, os magistrados do TRE fizeram moção de desagravo do juiz, que integra a corte eleitoral paulista. "Não tenho a menor dúvida quanto à conduta do Paulo Hamilton e o currículo dele serve para indicar quem ele é e como age", afirmou Mathias Coltro, vice-presidente e corregedor regional eleitoral.

O juiz Paulo Galízia disse que a reportagem do Estado sobre o caso (publicada em 18 de junho) ocorre em "momento inoportuno e sem nenhuma razão, vez que a apuração está em curso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.