Lula volta a falar em Collor, no ABC

Em carreata pelo candidato à reeleição em Diadema, Mário Reali (PT), ex-presidente pediu para eleitor não trocar certo pelo duvidoso

José Maria Tomazela, de O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2012 | 07h01

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a citar nesse domingo, 21, em Diadema, na região do ABC paulista, o senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB) ao participar ade carreata do prefeito Mário Reali (PT), candidato à reeleição. Em defesa do petista, que nas pesquisas eleitorais está atrás do candidato do PV, Lauro Michels, Lula pediu ao eleitor para não trocar o certo pelo duvidoso.

Lula lembrou que, em 1989, Collor foi eleito, derrotando outros candidatos de tradição, como Ulysses Guimarães e Mário Covas. "Mas vocês viram a desgraça que deu", disse, referindo-se ao confisco da poupança e ao impeachment do presidente.

Lula citou ainda a personagem Carminha da novela Avenida Brasil, exibida pela TV Globo, para insistir na tese da escolha certa. "Vocês viram o que aconteceu com a Carminha, ela trocou o certo pelo duvidoso." A personagem de Adriana Esteves terminou num lixão. "Nós agora estamos vendo aqui em Diadema as mesmas fantasias. Temos de votar em pessoas que têm história. Colocar alguém que não administrou nem a cozinha de sua casa não é bom", disse o ex-presidente, que, no entanto, em outras disputas municipais tem justamente defendido a tese da renovação na política.

Lula percorreu quatro bairros ao lado de Reali e fez a defesa do PT, sem se referir ao julgamento do mensalão. "Eu queria lembrar o que era o Brasil e o que era Diadema antes do PT e o que é agora. Queria que vocês dessem uma olhada no que era o comércio dessa região há 15 anos e o que é agora. Foi a partir do nosso governo que os pobres ganharam dignidade." O ex-presidente ainda tem uma maratona de comícios pela frente, antes da votação do segundo turno: hoje, vai a Jundiaí e Guarulhos e, amanhã, viaja para o Nordeste. Na quinta-feira, Lula visita Cuiabá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.