Lula traz PC do B para Haddad e critica Serra

Ex-presidente diz que, se necessário, 'morderá a canela' dos adversários para eleger o petista e garante que já em julho estará pronto para a campanha

FERNANDO GALLO, JULIA DUAILIBI, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2012 | 03h10

Ao anunciar ontem a aliança do PC do B em torno do pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou o tucano José Serra e disse que, se necessário, vai "morder a canela" dos adversários para eleger o petista.

Na saída do encontro com os comunistas, Lula disse não se arrepender das fotos ao lado do deputado Paulo Maluf, no anúncio da aliança com o PP, há uma semana. Após a divulgação da cena, a deputada Luiza Erundina (PSB) desistiu de ser candidata a vice-prefeito na chapa de Haddad. Questionado por repórteres se estaria arrependido de posar para a foto, Lula respondeu: "Não. Nem um pouco".

"Se for necessário, morderei a canela dos adversários para que o Fernando Haddad possa ser o prefeito", afirmou Lula. "A partir de julho, vou estar com a garganta boa, já recuperei 70% de mobilidade na minha perna esquerda e, logo, logo estarei batendo falta e fazendo gol."

O ex-presidente disse querer ir à periferia fazer comícios e caminhadas e gravar a propaganda eleitoral com seu candidato. Principal articulador de Haddad, Lula ainda se recupera do tratamento contra o câncer na laringe.

O petista citou uma das armas que a campanha de Haddad pretende explorar contra os tucanos: a renúncia de Serra em 2006, quando deixou a Prefeitura após um ano e três meses para disputar o governo do Estado. "O povo de São Paulo precisa lembrar que ele já foi eleito uma vez e, em vez de governar, o bichinho ficou um ano e quatro meses (sic) no mandato e saiu. Ele não pegou nem a segunda enchente e já correu", afirmou. Para Lula, o tucano vai perceber que foi um "equívoco" o tucano decidir disputar a eleição deste ano.

Uma das razões que levaram Serra a entrar na campanha foi a movimentação que o prefeito Gilberto Kassab (PSD) começou a fazer em direção ao PT, com o patrocínio de Lula. O ex-presidente criticou a atual gestão, ligada a Serra, e sustentou que o tucano "está patinando" nas pesquisas. "Jogaram óleo na pista de patins dele. E ele vai perceber que foi um equívoco quem o convenceu a ser candidato a prefeito de São Paulo", declarou o ex-presidente. O tucano lidera as pesquisas de intenção de voto - no último levantamento Datafolha, Haddad atingiu 8%.

Depois de dizer que a eleição será "polarizada" com os tucanos, Lula ironizou Serra, que anteontem, no lançamento de sua candidatura, destacou a experiência em relação à novidade, numa crítica a Haddad, estreante em eleições. "Ele disse que a competência vai vencer o novo. Portanto, meu filho, você já ganhou, porque de competência ali não tem nada."

Vice. Costurada por Lula, a aliança com o PC do B fez com que o partido desistisse da candidatura do vereador Netinho de Paula. A coligação dará a Haddad 35 segundos em cada um dos dois blocos da propaganda partidária. O PC do B deve indicar a presidente estadual da sigla, Nádia Campeão, como vice. O PSB municipal, que também se aliou ao partido, reivindica o posto.

No evento, o presidente do PC do B, Renato Rabelo, comparou o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai à crise do mensalão em 2005, no governo Lula. "Forças conservadoras atuam em aliança com o imperialismo no sentido de defenestrar novos governos. Tivemos o exemplo aqui no Brasil em 2005."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.