André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Lula reafirma candidatura para conter pressão no PT

Apesar disso, em conversas reservadas, lideranças importantes do PT avaliam que o partido corre o risco de ficar isolado se insistir na candidatura do ex-presidente até o fim

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2018 | 19h48

SÃO PAULO - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma carta pessoal na quarta-feira, 9, à presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, na qual reforça a postura da senadora de evitar os debates sobre plano “B” ou apoio a Ciro Gomes (PDT) no partido. “Se eu aceitar a ideia de não ser candidato, estarei assumindo que cometi um crime”, diz o ex-presidente.

+ Segunda Turma forma maioria para negar a Lula suspensão da prisão

A mensagem foi enviada um dia depois de o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa ter anunciado que não será candidato à Presidência. A desistência de Barbosa aumentou as pressões internas para que Gleisi desinterdite o debate sobre alternativas a Lula, condenado e preso pela Lava Jato. Hoje, quem ousar falar sobre cenários eleitorais sem o ex-presidente no PT é taxado de traidor. 

Em conversas reservadas, lideranças importantes do PT avaliam que o partido corre o risco de ficar isolado se insistir na candidatura de Lula até o fim. Eles argumentam que, sem Barbosa, Ciro deve atrair por inércia aliados históricos do PT como o PC do B e, talvez, o PSB. Segundo estas fontes, para não ficar isolado o PT precisa começar já a articular uma alternativa a Lula.

+ Gilberto Carvalho diz que Bittar ’emprestou’ sítio a Lula

Na carta enviada a Gleisi, Lula diz que a presidente do PT tem sido “atacada” por se manter fiel à sua candidatura. Segundo o ex-presidente, seus “concorrentes” não o querem como candidato. No final da carta, Lula joga um balde de água fria naqueles petistas que esperavam uma iniciativa por parte do ex-presidente.

“Não cometi nenhum crime. Por isso sou candidato até que a verdade apareça e que a mídia, juízes e procuradores mostrem o crime que cometi ou parem de mentir”, insiste Lula.

Leia a íntegra da carta.

Querida Gleisi,

Estou acompanhando na imprensa o debate da minha candidatura, ou Plano B ou apoiar outro candidato. Sei quanto você está sendo atacada. Por isso resolvi dar uma declaração sobre o assunto. Quem quer que eu não seja candidato eu sei, inclusive, as razões políticas, pois são concorrentes. Outros acham que fui condenado em 2a. instância, então sou culpado e estou no limbo da Lei da Ficha Suja.

Os meus acusadores sabem que sou inocente. Procuradores, juiz,TRF-4, eu sou inocente. Os meus advogados sabem que eu sou inocente. A maioria do povo sabe que eu sou inocente. Se eu aceitar a ideia de não ser candidato, estarei assumindo que cometi um crime. Não cometi nenhum crime.

Por isso sou candidato até que a verdade apareça e que a mídia, juízes e procuradores mostrem o crime que cometi ou parem de mentir. O povo merece respeito. O povo tem que ter seus direitos e uma vida digna. Por isso queremos uma sociedade sem privilégios para ninguém, mas com direitos para todos.

Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.