Lula entra na campanha de Haddad e atrai apoio de Marta

Ex-presidente e senadora estrearam em palanque ao lado do pré-candidato petista

FELIPE FRAZÃO , ROLDÃO ARRUDA, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2012 | 03h05

Em sua primeira aparição em palanque, após a conclusão do tratamento do câncer da laringe, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez ontem um lance duplo a favor de seu candidato à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. Além de aparecer ao lado dele pela primeira vez em evento público, desde que a pré-candidatura foi posta na rua, ele ainda atraiu para o palanque a senadora Marta Suplicy, que andava afastada e descontente desde que foi obrigada a desistir de sua candidatura ao cargo - por pressão do próprio Lula.

Pela primeira vez, a ex-prefeita prometeu se empenhar na campanha de Haddad. "Eu e o Lula vamos estar a todo momento com você", prometeu.

Na avaliação da senadora, principal estrela do evento, depois de Lula, chegou a hora do PT retomar a agenda política e administrativa de São Paulo. Ela disse que a gestão de Gilberto Kassab (PSD)é marcada pela "mediocridade absoluta".

O encontro aconteceu no final da manhã, durante a inauguração, em São Bernardo do Campo, de um Centro Educacional Unificado (CEU) - tipo de escola que surgiu em São Paulo e foi considerada a principal marca da gestão de Marta (2004-2014). A unidade inaugurada pelo prefeito petista Luiz Marinho, no centro de uma das regiões mais pobres da cidade, ganhou o nome de Regina Rocco Casa, em homenagem à mãe da mulher de Lula, Marisa Letícia.

Coube ao ex-presidente Lula fechar uma sequência de discursos de tom político. "Se eu tivesse juízo, não ia falar aqui porque não estou com a garganta totalmente boa", observou, no início de sua fala.

De fato, a voz estava rouca e fraca. Após pouco mais de cinco minutos, foi obrigado a parar, por causa de um acesso de tosse.

No pouco que falou, Lula deixou clara sua vontade de participar ativamente da eleição municipal deste ano: "Espero que daqui a quinze ou vinte dias eu esteja apto para me dirigir aos companheiros e companheiras, por esse Brasil afora, para ajudar nosso partido a continuar crescendo, elegendo pessoas como Marinho, como Fernando Haddad."

Tom inflamado. O discurso mais inflamado foi o de Marta, que parecia muito à vontade no palanque, atirando beijos e flores. Com um ataque direto ao prefeito Kassab, que sucedeu José Serra (PSDB) na prefeitura e é seu principal aliado na campanha deste ano, ela sinalizou qual deve ser o tom da campanha petista.

"Você agora tem uma grande responsabilidade", disse a Haddad. "Eu e Lula vamos estar com você, porque o programa petista precisa voltar. Não vamos mais aceitar a mediocridade."

Ela ironizou o bordão da propaganda oficial de Kassab, "hoje tem" em mais de um momento. "O que tem hoje em São Paulo e antes não tinha é o abandono. Antes não tinha recurso, mas graças ao Lula e à economia (do País), agora tem!."

No seu discurso, Haddad fez elogios a Marta, dando-lhe crédito total pela idealização do CEU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.