Lula e Marta pedem votos para Haddad por telefone

Para frear avanço de Russomanno, campanha fica mais agressiva e PT vai disparar 1,5 milhão de telefonemas na periferia

VERA ROSA, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2012 | 03h06

A campanha de Fernando Haddad (PT) à Prefeitura de São Paulo vai adotar estratégia mais agressiva contra o candidato do PRB, Celso Russomanno, líder das pesquisas de intenção de voto. Além da entrada da presidente Dilma Rousseff no programa eleitoral de TV, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a senadora Marta Suplicy (PT-SP) gravarão mensagens pedindo votos para Haddad por telefone.

Preocupado com o avanço de Russomanno, o comando da campanha petista vai disparar 1,5 milhão de telefonemas com as vozes de Lula e Marta, nos próximos dias, nos bolsões da periferia onde o ex-deputado "roubou" votos do partido. Trata-se da primeira investida de telemarketing do comitê de Haddad para deter o crescimento do adversário.

Lula inaugurará a estratégia ao pé do ouvido, exaltando qualidades do ex-ministro da Educação. A voz de Marta aparecerá em outra leva de telefonemas. Os avalistas de Haddad atuarão em bairros que sempre foram redutos do PT, e onde Russomanno vem crescendo, como Cidade Tiradentes, Guaianases, Itaim Paulista e Sapopemba, na zona leste, e Capela do Socorro, M'Boi Mirim, Cidade Ademar e Campo Limpo, na zona sul.

'Fragilidades'. O dilema da campanha petista,agora, consiste em como expor as "fragilidades" de Russomanno e mostrar que "ele não é o candidato dos pobres", como diz Lula, sem dar margem para o contra-ataque. Não sem motivo: antes de ingressar no PRB, Russomanno era aliado do deputado Paulo Maluf (PP-SP), que hoje apoia Haddad.

A ideia inicial é soltar os torpedos nas redes sociais. Entre petistas já circulam e-mails com perguntas como "Você sabia que Celso Russomanno tentou derrubar o projeto de Ficha Limpa, que proíbe a candidatura de políticos corruptos?" ou "Você sabia que, apesar de se apresentar como 'um homem simples e do povo', Celso Russomanno é um empresário muito rico?"

Em reunião realizada ontem, coordenadores da campanha de Haddad avaliaram que pode ser necessário antecipar, na próxima semana, uma estratégia de segundo turno, mesclando propostas para a cidade com a "desconstrução" de Russomanno.

Lula e o PT acham que o candidato do PSDB, José Serra, tende a repetir o destino do governador Geraldo Alckmin, na eleição de 2008, ficando para trás. Mas não dão isso como favas contadas e monitoram com lupa todos os passos do candidato tucano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.