Lula é internado com início de pneumonia

Em tratamento contra um câncer na laringe, ex-presidente tem 'febre baixa' e passa a noite sob cuidados no Hospital Sírio-Libanês

Isadora Peron, de O Estado de S.Paulo

05 de março de 2012 | 03h08

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi internado novamente no Hospital Sírio-Libanês neste domingo, 4, por volta do meio-dia, após ter apresentado febre baixa. Exames médicos constataram a presença de infecção pulmonar de leve intensidade. Mais tarde, confirmou-se a suspeita de início de pneumonia. O ex-presidente está sendo tratado com antibióticos administrados por via endovenosa.

O ex-presidente foi submetido a uma bateria de exames cujos resultados serão divulgados hoje. Há alguns dias, Lula encerrou o tratamento radioterápico contra um câncer na laringe detectado em outubro do ano passado.

Poucas horas depois da internação, o médico Roberto Kalil Filho chegou ao hospital e por lá ficou até o começo da noite de ontem. Ao ir embora, Kalil não deu maiores informações sobre a saúde de Lula. "A verdade está no boletim médico", disse.

O ex-presidente chegou ao hospital acompanhado de sua mulher, a ex-primeira-dama Marisa Letícia. Após a chegada de Kalil, a mulher de Lula deixou o local e se dirigiu para sua residência, em São Bernardo do Campo. Retornou por volta das 18 horas com roupas do ex-presidente e passou a noite com ele no hospital. Lula não recebeu nenhuma visita.

Desde o início de seu tratamento, Lula já emagreceu cerca de 12 quilos. Pelo fato de ter dificuldades para se alimentar, submete-se a uma dieta baseada em comidas pastosas.

O ex-presidente deve permanecer internado no Hospital Sírio-Libanês pelos próximos dias, de acordo com boletim assinado pelos médicos Antonio Carlos Onofre de Lira, diretor técnico hospitalar, e Paulo Cesar Ayroza Galvão, diretor clínico. A equipe que assiste Lula desde o ano passado é coordenada pelos médicos Roberto Kalil Filho, Paulo Hoff, Artur Katz e David Uip.

A internação de ontem foi a segunda do ex-presidente em menos de 30 dias. Em 12 de fevereiro, Lula reclamou de perda de apetite e cansaço e, por precaução, procurou ajuda médica. A junta que o atende optou por interná-lo.

Na ocasião, uma inflamação de mucosa de laringe e esôfago, decorrentes do tratamento radioterápico, foi identificada. Em contrapartida, um dia antes, exames revelaram que o tumor na região da laringe desaparecera totalmente.

Lula havia dito a petistas que pretendia retornar às atividades políticas no dia 15, mas a internação de ontem deve postergar seus planos. Na semana passada, ele recebeu a presidente Dilma Rousseff em sua residência, em um encontro que durou cerca de três horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.