Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Lula é candidato, vamos registrá-lo em 15 de agosto', diz Lindbergh

Aliados não admitem possibilidade do ex-presidente ser candidato à Presidência, apesar da condenação em segunda instância e do Supremo negar habeas corpus

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

05 Abril 2018 | 17h14

Os aliados de Lula que  conversam com a imprensa após se encontrarem com o ex-presidente convergem em um discurso de que ele está tranquilo e destacam a vigília permanente convocada para acompanhar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Bernardo do Campo a partir desta sexta-feira.

'Nos fingimos de espertos e criamos um grave problema', diz Gilmar sobre STF

Além disso, o PT promete promover manifestações a favor de Lula pelo País e pressiona a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, a pautar o julgamento das ações declaratórias de constitucionalidade (ADC) no plenário da corte para impedir uma prisão do petista após o processo que o condenou encerrar a tramitação na segunda instância.

Defesa de Lula ainda vê chances de 'reverter' condenação

"O povo quer estar ao lado de Lula", disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), após se encontrar com Lula. 

Nenhum aliado admite abertamente a possibilidade de Lula não ser candidato, mesmo com a condenação em segunda instância, o que o enquadra na Lei da Ficha Limpa. "Ele é candidato, vamos registrá-lo no dia 15 de agosto", comentou o senador.

O ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT), irmão do pré-candidato ao Planalto Ciro Gomes, (PDT) também esteve na sede do Instituto Lula para conversar com o ex-presidente. Ele chegou acompanhado do deputado José Guimarães (PT-CE).

Além dos aliados políticos, o ex-presidente está reunido com seus advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins há cerca de uma hora. A ex-presidente Dilma Rousseff também continua no local. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.