Lula diz que volta dos Magalhães é retrocesso

Lula diz que volta dos Magalhães é retrocesso

Em palanque do petista Nelson Pelegrino, ex-presidente ironiza o líder da disputa, ACM Neto; Ibope mostra distância menor entre os 2 candidatos

LUCIANA NUNES LEAL, ENVIADA ESPECIAL / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2012 | 03h02

Em comício ao lado do candidato do PT à prefeitura de Salvador, Nelson Pelegrino, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez duros ataques ao principal adversário do companheiro de partido, o deputado ACM Neto, do DEM, e disse fazer questão de voltar à capital baiana para "comemorar a derrota dos adversários".

"Se ele teve coragem de dizer que queria bater no presidente da República, imagina o que não vai fazer com camelô na cidade de Salvador", disse Lula. Em 2005, durante um discurso na Câmara, o então deputado ACM Neto disse que daria uma "surra" no presidente ou em "qualquer um dos seus que tiver coragem de se meter" na sua frente. Na ocasião, o deputado acusava a Abin de monitorá-lo desde que assumiu a sub-relatoria da CPI dos Correios.

"Não é possível que haja um retrocesso nessa cidade", afirmou Lula, em referência indireta ao governador e senador Antonio Carlos Magalhães, morto em 2007, que comandou durante quase 40 anos o movimento conhecido como carlismo, que o neto tenta retomar em versão moderna. "Vim alertar vocês porque fiquei muito preocupado quando vi que o povo de Salvador ia votar em um cidadão em detrimento do companheiro Pelegrino. As desfeitas em Salvador não são culpa do governo estadual", disse Lula, defendendo o governador do Estado, o petista Jaques Wagner.

Pelegrino ironizou ACM Neto pelo anúncio da entrada do ex-prefeito Antonio Imbassahy, do PSDB, na campanha do DEM. "A cidade, os ambulantes, o povo conhece Imbassahy. Eu tenho experiência. Meu adversário nunca administrou nada, a não ser, quem sabe, a fortuna que o avô deixou para ele", provocou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.