Ricardo Stuckert/Divulgação
Ricardo Stuckert/Divulgação

Lula compara Aécio Neves e o PSDB aos nazistas

Ele também compara tucanos a Herodes e diz que eles perseguem o PT assim como o governante perseguiu Jesus

Angela Lacerda, Clarissa Thomé e Ricardo Della Coletta, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2014 | 22h09

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparou as agressões aos petistas  pelos tucanos e pelo candidato do PSDB, Aécio Neves,  ao comportamento dos "nazistas na Segunda Guerra".  Lula e a presidente Dilma encerraram com uma caminhada em Recife o dia de campanha em Pernambuco. O evento reuniu entre 30 mil e 50 mil pessoas.

Lula fez a comparação quando questionava o passado de Aécio,  enquanto Dilma combatia a ditadura militar. "Onde estava o candidato, quando essa moça, aos 20 anos, estava colocando a vida em risco na luta pela liberdade desse país? Estava aprendendo a ser grosseiro, a ser mal-educado? (...) Se o Nordeste ouviu, se o Nordeste leu o preconceito contra nós, as injustiças.... parece que estão agredindo a gente como os nazistas agrediam no tempo da Segunda Guerra", afirmou Lula, que manteve a estratégia de opor o povo nordestino aos tucanos.

E continuou: "Eles são intolerantes. Outro dia eu disse para eles (tucanos): vocês são mais intolerantes do que Herodes, que matou Jesus Cristo por medo de ele se tornar o homem que virou. Querem acabar com o PT, querem acabar com a presidenta Dilma, achincalhar ela, chamar de leviana. Só pode ser feito por um filhinho de papai, porque um nordestino jamais faria isso."

Lula disse que ficou "pasmo" com a matéria da revista inglesa The Economist, que defendia voto em Aécio. "O que eles pensam que nós somos? Que nós somos gado? Será que a revista está dizendo para votarmos no candidato dos banqueiros? Oi vota no candidato dos banqueiros ou vota no candidato dos brasileiros. É isso que está em jogo".

Ele pediu para que em Pernambuco não tivesse nenhum voto para Aécio. "Não vamos deixar pena de tucano presa por aí. Só voando".

Lula é Dilma desfilaram em carro aberto pelas ruas do centro de Recife por 45 minutos.  Do alto dos prédios, as pessoas lançavam papel picado, quando a presidente passava, acenando. No meio da multidão, que se empurrava muitas vezes, crianças e idosos. "É um negócio maior do que o Galo da Madrugada", comparou o senador Humberto Costa (PT). Segundo ele, as pesquisas internas apontam que Dilma tem 64% e Aécio, 24%. Pernambuco foi o único estado do Nordeste em que Dilma perdeu.

Dilma foi saudada aos gritos de "eu te amo" pela população. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.