Líderes do PP e PSD se dividem sobre reforma política prometida por Dilma

Decisão sobre plebiscito ou referendo para possibilitar a mudanças políticas é alvo de discussões

Daiene Cardoso e Ricardo Dela Coletta, O Estado de S. Paulo

27 de outubro de 2014 | 19h38

Brasília - Líderes da atual base do governo na Câmara se dividiram quanto à promessa da presidente reeleita Dilma Rousseff de encampar a reforma política por meio de plebiscito popular. O tema foi a principal bandeira levantada por Dilma em seu discurso de vitória, no domingo, em um hotel em Brasília.

O líder do PP na Câmara dos Deputados, Eduardo da Fonte (PE), disse que o partido ainda discute se a reforma política deve ser feita com plebiscito ou referendo. "Vai ter de se discutir bastante isso", disse. 

O parlamentar lembrou que a reforma política foi um tema defendido tanto por Dilma quanto pelo candidato do PSDB, senador Aécio Neves, e que este é o momento apropriado para debater o assunto. "Não pode esperar para o segundo ou terceiro ano de governo, tem de ser no primeiro ano", defendeu. 

Eduardo da Fonte disse que o texto da reforma "não pode ser redigido por A ou B" e deve sair do Congresso Nacional.

Já o líder do PSD, deputado Moreira Mendes (RO), criticou a proposta de plebiscito. "Isso é jogar o jogo deles. É o caminho para mudar a democracia representativa pela participativa", afirmou o parlamentar, que disputou uma vaga ao Senado neste ano, mas não foi eleito. 

Tudo o que sabemos sobre:
Reforma Políticareferendoplebiscito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.