Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Líderes a 15 dias da eleição só ficaram fora do segundo turno em 1989 e 2014

'Estado' analisou pesquisas eleitorais a menos de 15 dias do pleito nas sete eleições realizadas após a redemocratização; apenas em 1989 e em 2014 os dois primeiros colocados não foram para o segundo turno

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2018 | 10h50

Desde a redemocratização brasileira, apenas duas vezes os líderes nas pesquisas de intenções de voto na reta final das campanhas não foram para o segundo turno - faltando duas semanas para a votação, os primeiros colocados das eleições de 1989 e de 2014 perderam fôlego e não terminaram o primeiro turno entre os dois primeiros colocados.  Em 1989, Leonel Brizola, do PDT, esteve em segundo durante a maior parte da campanha, mas perdeu posição a menos de 15 dias da disputa para Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que viria a ser derrotado por Fernando Collor (PRN). Já em 2014, a candidata Marina Silva, na época disputando pelo PSB, perdeu fôlego na reta final da campanha e foi superada por Aécio Neves (PSDB), que foi para o segundo turno e perdeu para Dilma Rousseff (PT). 

A 13 dias das eleições 2018, as mais recentes pesquisas apontam para a liderança de Jair Bolsonaro (PSL), seguido por Fernando Haddad (PT),  Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede).  

O Estado analisou resultados de pesquisas eleitorais das últimas sete eleições presidenciais quando faltavam 15 dias para a votação. A tendência captada pelas pesquisas se manteve em cinco pleitos: 1994, 1998, 2002, 2006 e em 2010.  Em 1994, Fernando Henrique Cardoso e Lula concentraram o foco da disputa presidencial. Nomes como Enéas Carneiro (Prona) e Orestes Quércia (PMDB) tiveram repercussão na eleição, mas não chegaram a alterar a ordem dos líderes. FHC foi eleito no primeiro turno.

Na disputa de 1998, Fernando Henrique Cardoso, que tentava a reeleição, reeditou a disputa do pleito anterior com Lula. Ciro Gomes, na época representante do PPS, ficou em terceiro na maior parte da campanha. A eleição também foi decidida no primeiro turno, com a vitória de FHC.  

Em 2002, Lula até chegou a rivalizar com Ciro Gomes durante parte considerável da campanha, mas o candidato do PPS acabou terminando em quarto. José Serra (PSDB) assumiu a segunda posição a dois meses do pleito e lá se manteve até o fim. Lula foi eleito para seu primeiro mandato no segundo turno.  

Em 2006, Lula e Geraldo Alckmin (PSDB) rivalizaram durante toda a campanha. A 15 dias das eleições, Lula aparecia com 49% das intenções de voto e Alckmin, com 33%. Um dos marcos daquela campanha foi o fato de o tucano ter recebido menos votos no segundo turno do que no primeiro. Lula teve seu mandato renovado após vitória no segundo turno. 

Nas eleições de 2010, José Serra aparecia no início da campanha em primeiro colocado quando, em junho, Dilma Rousseff (PT) passou para a primeira colocação. A duas semanas daquele pleito, Dilma continuava na liderança, com quase 50% dos votos, enquanto Serra tinha 28%. Marina, que surgia naquele pleito como a terceira via entre PT e PSDB, aparecia com 13% dos votos. Dilma foi eleita a primeira mulher presidente após vencer o segundo turno contra o tucano. 

Última virada

Em 2014, houve uma virada significativa nos dias finais da campanha. Marina Silva (PSB), após ter entrado na campanha depois da morte de Eduardo Campos em acidente aéreo em 13 de agosto, de quem era vice, esteve no segundo lugar até 1º de outubro, faltando apenas quatro dias para a decisão. Ela, no entanto, acabou em terceiro lugar, com 21% dos votos, sendo superada por Dilma Rousseff (41%) e Aécio Neves (33%). 

Tudo o que sabemos sobre:
pesquisa eleitoraleleições 2018

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.