Werther Santana/ Estadão
Werther Santana/ Estadão

Líder nas pesquisas, Covas ‘joga parado’ e evita nacionalizar debate

Prefeito diz que o ‘candidato é ele’ ao ser associado ao governador Doria e defende sua gestão na cidade

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2020 | 14h09

Candidato à reeleição e líder nas pesquisas de intenção de voto, Bruno Covas (PSDB) foi fiel a sua estratégia de “jogar parado” no debate do Estadão com os candidatos a prefeito de São Paulo realizado nesta terça-feira, 11, em parceria com a Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) . O tucano, o mais atacado pelos adversários, evitou nacionalizar o encontro.

Quando sua imagem foi associada ao governador João Doria, também do PSDB e que tem 42% de rejeição dos eleitores na capital, Covas disse: “Não tenho nada a esconder, mas o candidato sou eu. Seria estranho o governador abandonar os mais de 600 municípios da cidade para fazer campanha”, afirmou o tucano, que tem 32% das intenções de voto no mais recente levantamento Ibope/TV Globo/Estadão, divulgado segunda-feira, 9.

Na semana passada, o Estadão mostrou que Doria ficou fora da campanha de Covas e que o governador gravou vídeos de apoio a candidatos em cidades pequenas e médias do Estado.

Mesmo quando confrontado por Arthur do Val (Patriota), que afirmou que o tucano vive do sobrenome do avô, Covas não se alterou. Quando pôde escolher o primeiro adversário para fazer pergunta, o prefeito optou por Celso Russomanno (Republicanos) e fez um questionamento sobre propostas para ampliar vagas em creches.

Em suas falas, o candidato do PSDB priorizou a exaltação ao que ele considera “vitrines” de sua administração. A segunda pergunta de Covas foi para Guilherme Boulos (PSOL), e mais uma vez o prefeito preservou o adversário e fez uma pergunta sobre poluição do ar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.