Líder do PPS na Câmara quer ouvir em CPI donos de agência citada por Youssef

Doleiro diz que Lula teria dado ordem para pagamento à Muranno Marketing/Brasil, suspeita de esquema de corrupção na Petrobrás  

Ayr Aliski, O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2014 | 15h55

BRASÍLIA - O líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR), informou neste sábado, 25, que protocolará na próxima semana requerimento para ouvir na CPI Mista da Petrobrás os donos da agência de publicidade Muranno Marketing/Brasil. Como informa a edição deste sábado do Estado, o doleiro Alberto Youssef afirmou nos termos de sua delação premiada que o então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva teria dado uma ordem em 2010 ao então presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, para que ele resolvesse uma pendência com uma agência de publicidade suspeita de integrar o esquema de corrupção na estatal.

A agência de publicidade que teria recebido o repasse de empreiteiras, ainda segundo disse Youssef, é a Muranno Marketing/Brasil. "O Lula ligou para o Gabrielli e falou que tinha que resolver essa merda", revelou o doleiro em um dos seus vários depoimentos que vem prestando à Justiça a fim de tentar reduzir sua pena ao colaborar com as investigações da Operação Lava Jato, informa o Estado.

Em nota, o PPS destacou, citando a reportagem deste sábado, que a Polícia Federal identificou dois repasses, em um total de R$ 1,7 milhão, à agência Muranno via MO Consultoria, empresa do doleiro de Youssef.

Para o líder do PPS, as informações batem com os dados já colhidos pela CPMI da Petrobrás.

"Realmente existem esses repasses e conseguimos rastrear parte das informações que a Polícia Federal já tem em mãos. É necessária a imediata convocação dos donos dessa agência. E, numa segunda fase, teremos que ouvir o ex-presidente Lula, já que, segundo o doleiro Alberto Youssef, foi dele que partiu a ordem para o pagamento da propina", afirmou Rubens Bueno. 

O líder do PPS defende que Gabrielli também seja ouvido pela CPMI. "Ele precisa explicar se orquestrou mesmo o pagamento do 'cala boca'. Assim como no mensalão, quando o publicitário Marcos Valério era o elo para o pagamento de propinas para partidos e políticos, a Operação Lava Jato está apontando que outra agência era usada para pagar as mesadas do petrolão. Precisamos aprofundar a investigação e identificar toda essa teia criminosa", defendeu Rubens Bueno.

O parlamentar avaliou, ainda, que, a presidente Dilma Roussef e o PT também têm responsabilidade no caso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.