Líder do PMDB nega acordo de evangélicos com bancada ruralista

Eduardo Cunha responde à acusação de petista sobre estratégia para barrar projetos em prol de quilombolas e índios

LUCIANA NUNES LEAL / RIO, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2013 | 02h08

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), negou que tenha intermediado acordo entre ruralistas e evangélicos para garantir ao pastor Marco Feliciano (PSC-SP) a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Casa e evitar o avanço de projetos que tratam de quilombolas e de reservas indígenas, como afirmou o deputado Domingos Dutra (PT-MA), ex-presidente do colegiado. Cunha disse que não há restrição a nenhum projeto, mas que a comissão não pode ser "monotemática" e tratar só das causas dos homossexuais. "É uma comissão de defesa dos direitos humanos ou de defesa do movimento gay?", questionou o deputado, que é evangélico.

Cunha rejeitou a tese de que, sob o comando do pastor, a comissão se afaste da sociedade civil. Feliciano é acusado de homofobia e racismo e foi eleito, na quinta-feira, em sessão fechada, longe dos protestos da véspera. "Não se pode impedir ninguém de ser presidente de comissão. Só esse grupinho que estava lá (na Câmara, protestando contra a escolha de Feliciano) é que dialoga? A comissão tem muitos temas a tratar: violência nos presídios, quilombolas, pedofilia, violência contra a mulher e também questões do movimento gay. Mas não pode ser monotemática", afirmou Cunha.

'Falta de opção'. Segundo o líder do PMDB, depois de vários acertos entre os partidos, restaram as presidências de apenas duas comissões, a de Direitos Humanos e a de Legislação Participativa. O PSC escolheu a primeira.

"O PSC não reivindicou a Comissão de Direitos Humanos. Não foi por opção, foi por falta de opção", disse o peemedebista. "Como é um partido de maioria evangélica, foi escolhido um deputado evangélico. Minha participação foi fazer cumprir o acordo entre os partidos, nada além disso."

O líder afirmou que, na quarta-feira, ainda tentou que o PT abrisse mão da Comissão de Relações Exteriores, que passaria ao PMDB, e ficasse com Direitos Humanos. Com isso, o PSC ocuparia a Comissão de Fiscalização. "O PT não aceitou", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.