Líder da CUT compara mensalão a impeachment de Lugo

Em discurso ontem na abertura do Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o presidente da central, Artur Henrique, relembrou o episódio do mensalão ao falar sobre a destituição do ex-presidente do Paraguai Fernando Lugo. "Esse ataque à democracia pode acontecer no Brasil. Ou não foi isso que tentaram neste País em 2005? Ou não tentaram depor e derrubar o presidente Lula com o apoio da imprensa?"

O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2012 | 03h07

Henrique afirmou que os setores conservadores não precisam mais de "velhas formas" para derrubar presidentes eleitos democraticamente. "Basta aprofundar o processo eleitoral elegendo um Congresso conservador para se utilizar da legislação para derrubar um presidente."

O mensalão, em 2005, foi o maior escândalo do governo Luiz Inácio Lula da Silva. O episódio derrubou o então chefe da Casa Civil, José Dirceu, e dirigentes do PT como o ex-tesoureiro Delúbio Soares. O processo, que tem 38 réus, está com julgamento marcado para começar no dia 2 de agosto no Supremo Tribunal Federal (STF).

Henrique destacou ainda que a CUT tem um lado nestas eleições: "Não vamos permitir o retrocesso, a volta dos tucanos, do PSDB, ao governo e aos governos".

'Função'. O candidato tucano à Prefeitura de São Paulo, José Serra, disse que "não é função de uma entidade de classe" fazer protestos como o defendido pelo futuro presidente da CUT, Vagner Freitas - o sindicalista disse ao jornal Folha de S. Paulo que a central pode ir às ruas se o julgamento do mensalão for "político". "Tem que definir primeiro o que é político, no entender dele. Político, provavelmente, é o que o contraria. Só pode ser isso", criticou Serra.

O tucano também afirmou que não cabe à CUT "fazer campanha eleitoral". "Eles já começaram a fazer isso (campanha) em São Paulo. Li outro dia na imprensa sobre uma manifestação eleitoral comandada pela CUT na Avenida Paulista. Na eleição passada foram multados pela Justiça e provavelmente nessa também serão."

Serra observou que "as entidades sindicais têm recursos que são públicos, não são para fazer campanha eleitoral partidária".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.