Levy Fidelix causa perplexidade com declarações homofóbicas

Em resposta à pergunta sobre violência contra homossexuais, durante debate da TV Record, candidato do PRTB diz preferir perder votos a apoiar causa gay

Carla Araújo, Ana Fernandes e Daniel Galvão, Agência Estado

29 Setembro 2014 | 07h50

Atualizado às 8h55

São Paulo - O candidato Levy Fidelix (PRTB) causou surpresa e perplexidade ao responder uma pergunta sobre violência contra homossexuais, durante o debate entre presidenciáveis promovido pela TV Record, na noite desse domingo, 28. Com declarações irônicas e enfáticas, o candidato disse que nunca viu procriação entre pessoas do mesmo sexo e que prefere perder votos a apoiar homossexuais. As falas causaram risos e manifestações de indignação da plateia. Internautas também reagiram às declarações nas redes sociais.

Após ouvir a pergunta da candidata Luciana Genro (PSOL), Levy afirmou: "Jogo pesado esse aí agora. Nesse, jamais eu poderia entrar". "Aparelho excretor não reproduz", afirmou, causando indignação em alguns integrantes da plateia. "Como é que pode um pai de família, um avô, ficar aqui escorado porque tem medo de perder voto? Prefiro não ter esses votos", disse ainda o candidato.

Líderes petistas riram algumas vezes, mas também reagiram com surpresa. "Como é possível uma coisa dessas?", perguntou um petista. Também houve risos entre os aliados de Marina, mas entre críticas e manifestações de indignação. "Que tristeza esse nível", disse uma integrante da equipe do PSB. "O pior que a maioria do eleitorado pensa assim" replicou outra pessoa do partido.

Durante a resposta, Levy defendeu o enfrentamento a "essas minorias": "Vamos ter coragem, somos maioria, vamos enfrentar essas minorias". "Instrua seu filho, instrua seu neto", pediu o candidato ao público.

Fidelix tentou "ilustrar" sua opinião citando o caso do ex-arcebispo polonês Jozef Wesolowski, preso pelo Vaticano acusado de pedofilia. "Eu vi agora o Vaticano expurgar um pedófilo", afirmou, sem citar o nome do religioso. Luciana respondeu que defende todas as famílias e o que importa é que as pessoas se amem. "Vamos enfrentar essa minoria, vamos ter coragem. Esses, que tem esses problemas, que sejam atendidos por planos psicológicos e afetivos, mas bem longe da gente", retrucou na tréplica, sem especificar se falava de homossexuais ou pedófilos.

Reações. Após o debate, em seu perfil no Facebook, Luciana Genro classificou como absurdas as declarações de Levy. "Mais do que nunca é necessária a criminalização da homofobia. O discurso de ódio não deve ter voz." Pelo Twitter, Eduardo Jorge defendeu o combate à homofobia. "Hoje vocês viram o quanto é necessário uma legislação que criminalize a homo/lesbo/transfobia, equiparando-as aos crimes de racismo, né?", escreveu.

O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), candidato à reeleição e defensor da causa gay no Congresso, também manifestou repúdio: " Vou avaliar se é possível representar contra Levy Fidélix por sua ofensa a uma coletividade e por estimular a violência contra esta."

Nas redes sociais, internautas manifestaram surpresa e outros disseram que as falas de Levy refletem "o que muita gente pensa". Usuários do Twitter registraram o silêncio dos demais candidatos sobre o episódio durante o debate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.