Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Leite vai renunciar ao governo e prepara ‘Dia do Fico’ no PSDB, de olho no Planalto

Governador gaúcho articula com MDB e União Brasil para tentar candidatura no PSDB; opção por permanecer no partido ganhou força em relação à migração para o PSD

Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2022 | 15h45
Atualizado 25 de março de 2022 | 20h54

BRASÍLIA – O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), vai deixar o cargo na próxima segunda-feira. Leite está decidido a disputar a Presidência e tem dois caminhos: se filiar ao PSD ou permanecer no partido, hipótese que ontem era considerada a mais provável. A avaliação é de que ele prepara o “Dia do Fico” no PSDB em uma estratégia que prevê a possibilidade de um acordo com o MDB e o União Brasil para o lançamento de uma candidatura única ao Planalto.

O impasse para o acerto político ainda é o governador de São Paulo, João Doria, que em novembro venceu as prévias do PSDB – derrotando o próprio governador gaúcho –, para ser o nome do partido à sucessão do presidente Jair Bolsonaro. Aliados de Leite, no entanto, avaliam que, como Doria não cresceu nas pesquisas de intenção de voto até agora, pode sair do páreo para dar lugar ao correligionário se houver um apelo do MDB e do União Brasil em nome de uma aliança. Outra hipótese é Doria ser rejeitado na convenção do partido que terá que referendar o resultado das prévias.

A ideia do grupo é que Leite seja o candidato ao Palácio do Planalto e a senadora Simone Tebet (MDB-MS), vice na chapa. Embora Simone e Leite também tenham baixíssimos índices nas pesquisas, apoiadores do gaúcho citam o alto patamar de rejeição de Doria.

Até a semana passada, Leite estava inclinado a aceitar o convite do PSD, que é presidido pelo ex-ministro Gilberto Kassab, para concorrer à Presidência e vinha dando todos os sinais nesse sentido. O temor de isolamento no partido de Kassab, no entanto, o fez repensar a troca de legenda, segundo interlocutores ouvidos pelo Estadão/Broadcast.

“Acredito que o governador do Rio Grande do Sul tende a ficar e trabalhar para ser o candidato da unidade da terceira via, filiado ao PSDB”, disse o deputado Aécio Neves (MG). Desafeto de Doria, Aécio faz articulações políticas para lançar Leite à Presidência no lugar do paulista. Ex-presidente do PSDB, o senador Tasso Jereissati (CE) foi na mesma linha. “Eu diria que há 90% de probabilidade de Eduardo Leite ficar no PSDB”, afirmou Tasso em entrevista à CNN.

Até agora, Leite vinha dando sinais de que estava disposto a ingressar no PSD. O caminho para que ele disputasse o Planalto pela nova sigla ficou livre após o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), desistir de lançar a candidatura à Presidência.

Uma ala do PSDB, porém, rejeita o movimento para tirar Doria do jogo. Ao Estadão/Broadcast, o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) disse que discutir agora a troca de candidato na disputa pelo Planalto é “ficar sangrando em público”. Na avaliação de Moreira, é preciso “dar uma chance” ao governador de São Paulo para que ele faça sua campanha.

Grupo de Doria usa estatuto como blindagem de eventual movimento ‘golpista’

O grupo de Doria usa o estatuto para se blindar de um eventual movimento “golpista”. “A permanência do Eduardo é bem-vinda. Mas pelo estatuto as prévias são irrevogáveis. Não tem como voltar atrás. A convenção é meramente homologatória”, disse o tesoureiro nacional do PSDB, Cesar Gontijo. Procurado, o governador paulista não se manifestou.

A lei eleitoral determina que ocupantes de cargos públicos que desejam disputar eleições se desincompatibilizem até 2 de abril. Leite deixará o cargo antes do prazo.

Em conversas com tucanos, o governador do Rio Grande do Sul tem avaliado que o PSD de Kassab é um partido muito dividido, com quadros que apoiam Bolsonaro, como o governador do Paraná, Ratinho Júnior, e outros que preferem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), caso do senador Omar Aziz (AM). O próprio Kassab já fez acenos a Lula.

Mesmo quando citava a possibilidade maior de ir para o PSD, Leite ponderava que era preciso apoio político à sua eventual candidatura. “Não pode ser por vaidade. Eu não vou entrar numa disputa para fraturar uma já difícil terceira via, para dispersar ainda mais. Eu quero entrar se for, de fato, para ajudar a aglutinar e tentar ajudar a construir um projeto viável, não para facilitar a polarização”, disse o governador, no último dia 16, na Federação das Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), em Porto Alegre.

Naquele mesmo dia, durante o ato de filiação da ex-senadora Ana Amélia Lemos ao PSD, Kassab disse torcer para que o gaúcho tivesse "boas inspirações" nos dias seguintes, numa referência à decisão sobre a troca de partido. 

Presidente do Cidadania, partido que vai formar uma federação com o PSDB, Roberto Freire pediu a Leite que fique no ninho tucano. “Ele é uma grande liderança, jovem. É importante ele ficar junto conosco. Tudo indica que ele vai ficar”, afirmou. Para Freire, as conversas com o MDB e o União Brasil para lançar uma candidatura única ao Planalto estão “muito positivas”. / COLABOROU PEDRO VENCESLAU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.