Lacerda inicia transição de governo em BH

O prefeito eleito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), deu início hoje ao processo de transição de governo, indicando os nomes de uma comissão encarregada da coordenação do trabalho. A comissão, sob o comando de Lacerda, será formada por representantes das principais legendas que participaram formal ou informalmente da ampla coligação em torno da candidatura do socialista. Entre os representantes, dois secretários do atual prefeito, Fernando Pimentel (PT). Integram a comissão o secretário-geral do PSDB, deputado federal Rodrigo de Castro, e o presidente do PPS em Minas, Juarez Amorim. Devido ao veto da Executiva Nacional petista, as duas legendas foram obrigadas a apoiar informalmente a candidatura de Lacerda. O PT estará representado no vice-prefeito eleito, Roberto Carvalho, e no secretário municipal de Políticas Sociais, Jorge Nahas, que coordenou o programa de governo de Lacerda. A equipe é composta ainda pelo secretário municipal de Assuntos Institucionais, Mário Assad Júnior, do PSB, e por Beatriz Góes - secretária-executiva do programa de governo do socialista. Lacerda se reuniu na manhã de hoje com Pimentel e depois se encontrou com a coordenação de campanha, cuja estrutura está sendo desmontada. Após o resultado final da eleição, a assessoria do prefeito eleito deixou de informar sua agenda. Salário Apoiado por uma coligação formada por 12 partidos, mais PSDB e PPS, o socialista tem reiterado que não irá fazer "loteamento de cargos" na prefeitura. "Vamos montar a equipe com bom nível técnico", assegurou Lacerda, que já afirmou, inclusive, que pretende abrir mão de parte de seu salário como prefeito para complementar "a renda de auxiliares diretos" que vier arregimentar para o Executivo municipal. O prefeito da capital mineira recebe salário de R$ 15,9 mil. O vencimento dos secretários municipais atualmente é de R$ 9,5 mil mensais. Ex-militante comunista e preso político durante quatro anos, o prefeito eleito tornou-se empresário de sucesso e declarou à Justiça Eleitoral patrimônio de R$ 55,5 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.