Lacerda adota tom mais agressivo no horário eleitoral

A campanha do candidato do PSB à prefeitura de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, estreou hoje no horário eleitoral gratuito do segundo turno com uma postura mais agressiva, vinculando o candidato adversário, Leonardo Quintão (PMDB), às "velhas práticas políticas". Coube ao prefeito Fernando Pimentel (PT) - um dos fiadores da candidatura de Lacerda junto com o governador Aécio Neves (PSDB) - reforçar no programa do socialista a estratégia adotada desde a reta final do primeiro turno. O peemedebista, por sua vez, manteve a linha adotada desde o início de falar diretamente com o telespectador, sem usar muitos recursos técnicos. Críticas à aliança entre Pimentel e Aécio foram feitas por meio de depoimento de populares, que ressaltaram "a resposta" dada pelo povo nas urnas. "É o povo que decide, não é o governador, não é o prefeito", afirmou uma eleitora mostrada no programa.No cálculo das análises políticas, Pimentel sofrerá mais prejuízos no caso de derrota de Lacerda e, conseqüentemente, do arranjo eleitoral firmado com o governador tucano. Por isso mesmo, deputados petistas ligados ao prefeito assumiram o front político da campanha. A intenção é atingir Quintão, taxado de administrativamente inexperiente e cuja eventual vitória representará retrocesso na gestão pública. "Nesse segundo turno vai ficar claro a diferença entre os dois candidatos e seus projetos. De um lado, o Márcio Lacerda com nosso modelo de governo democrático-popular, com orçamento participativo, ouvindo o cidadão, com ética e responsabilidade na administração. E com a novidade da aliança que todo Brasil acompanha com atenção. Do outro lado, um candidato que quer trazer de volta velhas práticas políticas que já banimos do nosso Estado e da nossa cidade há muito tempo", disse Pimentel no depoimento exibido hoje. Aécio foi bem mais comedido e disse que Lacerda reúne condições para ser o melhor prefeito da capital mineira. "O segundo turno de uma eleição é muito importante para que a gente possa conhecer melhor cada candidato, as suas propostas, os seus compromissos e, principalmente, as suas diferenças", afirmou o governador. Tom emocional Na maior parte do programa eleitoral, Lacerda fez questão de se defender de acusações apócrifas de que integra o grupo de envolvidos no escândalo do mensalão. Para isso, exibiu um depoimento do senador Delcídio Amaral (PT-MT), que presidiu a CPI dos Correios, isentando-o das acusações. Foi exibido também um depoimento da mulher do candidato, Maria Regina. Foram veiculadas ainda imagens do socialista chorando em um evento no qual recebeu o apoio de um grupo de representantes de diretórios centrais e acadêmicos de universidades particulares. O tom emocional também foi usado por Quintão, que levou a jovem mulher, Poliana, para o programa de estréia. "O programa não vai ter proposta, é só agradecimento", anunciou o peemedebista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.