ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

Kátia Abreu sugere renúncia a Haddad e substituição por Ciro na disputa contra Bolsonaro

Senadora apresentou artigo da Constituição que permite a disputa do terceiro colocado em caso de desistência

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2018 | 18h41

BRASÍLIA - A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) defendeu, nesta quarta-feira, 10, que o candidato do PT Fernando Haddad renuncie à campanha presidencial nas eleições 2018 "em nome da democracia". O objetivo de sua proposta é que o petista, ao abrir mão da disputa, abra espaço para que Ciro Gomes (PDT) seja o adversário de Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno.

"Eu não estranharia e acharia muito digno se por acaso ele (Haddad) desistisse da candidatura vendo que pode entregar o País a um fascismo religioso", afirmou, referindo-se a Bolsonaro. "A lei é clara. Se ele renunciar à sua candidatura, Ciro Gomes é o candidato. E é o único capaz de vencer Bolsonaro", justificou.

A proposta de Kátia Abreu se baseia no artigo 77 da Constituição Federal, que no inciso 4º diz que "se, antes de realizado o segundo turno, ocorrer morte, desistência ou impedimento legal de candidato, convocar-se-á, dentre os remanescentes, o de maior votação".

Kátia Abreu disse também que não fará campanha para Haddad, apesar da decisão do partido de optar pelo "apoio crítico". "PDT só deu apoio crítico ao PT para não dar uma de Pôncio Pilatos, para não lavar as mãos diante da ameaça e fascismo que a outra candidatura representa. O PT que tinha uma causa lá atrás não existe mais, não vale a pena defender." A senadora afirmou ainda que irá votar em "branco" ou "nulo" em 28 de outubro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.