Kassab vistoria CEU e rebate provocação de Marta

A situação da obra na Vila Formosa foi alvo dos candidatos nos dois últimos debates na televisão

CAROLINA RUHMAN, Agencia Estado

21 de outubro de 2008 | 16h21

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), rebateu as provocações da adversária do PT,  Marta Suplicy , de que as obras do Centro Educacional Unificado (CEU) de Vila Formosa não ficariam prontas dentro do prazo, marcado para fevereiro. Apesar de negar que suas afirmações tivessem como objetivo dar uma resposta à oponente, Kassab fez uma vistoria eletrônica da obra e reiterou que ela deve ficar ponta dentro do prazo, o que é considerado pela petista como impossível. A situação da obra foi alvo dos candidatos nos dois últimos debates na televisão.   Veja também: 'Sou solteiro e feliz', diz Kassab; Marta lamenta inserção na TV Reviravolta é difícil em SP, diz cientista política  Enquete: Quem se saiu melhor no debate?  Blog: Leia os principais momentos do debate na Rede Record  Veja galeria do debate na Rede Record  Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo  'Eu prometo' traz as promessas de Marta e Kassab  Geografia do voto: Desempenho dos partidos nas cidades brasileiras  Confira o resultado eleitoral nas capitais do País Nesta manhã, o prefeito visitou o centro de controle de obras da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana e fez uma vistoria eletrônica das obras de diversos projetos da Prefeitura. Assim que a apresentação começou, Kassab logo pediu para ver a situação do CEU de Vila Formosa. De acordo com o levantamento, as obras foram iniciadas em 25 de fevereiro deste ano e estão previstas para serem encerradas em 1º de janeiro de 2009, pois 14% já foram executados.Foram exibidas a Kassab fotos do final do mês de setembro, que mostravam que as etapas de terraplenagem e fundação já estavam prontas. "Nossa preocupação é que até fevereiro pelo menos as atividades escolares possam ser iniciadas", afirmou Kassab, ressaltando que as atividades complementares dos CEUs podem ficar para depois, "para março, abril, maio". O prefeito disse que saiu tranqüilo da vistoria eletrônica. "Não tenho dúvida nenhuma em afirmar que até fevereiro ele estará com atividades escolares."Entretanto, Kassab negou que a atenção dada às obras do CEU Vila Formosa fossem uma resposta à Marta. "Todos sabem que eu faço rotineiramente as vistorias", afirmou. O prefeito disse inclusive que não tem pressa para entregar os projetos de infra-estrutura de sua administração. "Até porque as obras têm seu prazo, o que pode é ela ir mais devagar, uma obra nunca pode ir mais depressa", explicou, destacando que acelerar um obra implica em colocar mais recursos do que o inicialmente previsto.A apresentação da situação das obras foi feita ao prefeito pelo secretário de Infra-Estrutura, Marcelo Branco. Kassab também estava acompanhado do secretário de Educação, Alexandre Schneider, que explicou que a Prefeitura trabalha com a perspectiva de as obras dos CEUs ficarem prontas para o início do próximo ano letivo. Ele ressaltou que, se as obras atrasarem, isso pode ser controlado, mas enfatizou que a administração não trabalha com essa hipótese. "Se atrasarem, são infelizmente mais algumas crianças que ainda vão ficar por mais algumas semanas no terceiro turno, mas não é nossa expectativa", enfatizou Kassab. Beto Richa A novidade do evento ficou por conta da presença do prefeito reeleito de Curitiba, o tucano Beto Richa. Richa aproveitou para enfatizar a aliança entre PSDB e DEM e recebeu elogios de Kassab. "Richa é referência em termos de pessoa que está na vida pública e exerce com eficiência suas atribuições."O prefeito evitou comentar a matéria publicada no jornal O Estado de S. Paulo, que falava sobre um "projeto Kassab" para ajudar a revitalizar o DEM. Ele disse que seu projeto é se dedicar à administração da capital paulista por quatro anos e acrescentou: "não tenho nenhum outro projeto pessoal, político ou partidário que não seja ser reeleito no domingo e fazer com que a cidade tenha respeito por nossa administração."Kassab negou a possibilidade de tentar a reeleição em 2012. "A lei não permite", disse, e completou: "Na vida pública, nós temos de ter a troca de bastões". Ele fez questão de ressaltar que seu partido pode esperar dele uma boa prefeitura.   "Minha expectativa é fazer um bom trabalho à frente da Prefeitura em quatro anos, e é muito sincero de minha parte".

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPSão PauloGilberto Kassab

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.